sábado, 20 de agosto de 2016

Carnavápolis | O ziriguidum tropicalista de Fernando Pinto, ao mestre com carinho



Nossa cidade carnavalesca hoje está em festa, uma nave especial desponta no seu céu multicolorido. Depois de dividir algumas histórias por aqui, peço licença para um texto mais carregado de emoção. Um espécie de carta-homenagem ao responsável pelo nome dessa coluna, pelos cachos que carrego orgulhosamente. Abram-alas que a nave verde e prata está perto de concluir seu poso e já se pode ver índios alados num grande cortejo para saudar ele: Fernando Pinto.

Contra o vento, ele deixou seu Pernambuco, trazendo nos cachos volumosos o sonho de viver nos palcos. Na efervescência dos anos finas de 1960, pousou com sua nave no Rio de Janeiro que vivia a reverberação do movimento tropicalista sob as dores da ditadura civil militar. Apaixonado pelas artes, sentiu aquela sensação inexplicável ao ver uma escola desfilar. Se apaixonou pela folia. Foi taxativo: "escola de samba é maior artístico, popular, folclórico, teatral. Uma verdadeira revolução." Abusado, enviou uma carta ao Império Serrano se oferecendo para ser carnavalesco, prometendo resgatar a agremiação que vinha de maus resultados. Deu-se início a cruzada tropicalista carnavalesca.



A década das discotecas eclodiu. Na pátria do "Ame-o ou Deixe-O", a cultura marginal dava o tom. Desbunde, drogas, liberdades individuais, cabeleiras que buscavam calar os canhões com uma flor. Morador de Copacabana, Fernando pulsou com uma juventude multicolorida e psicodélica. Leu O Pasquim, assistiu os filmes de Glauber Rocha, se maravilhou com o teatro de Zé Celso Martinez, frequentou o Museu de Arte Moderna, se embalou na geleia geral brasileira. 

"O movimento maldito-maravilhoso", foi assim que se referiu em uma entrevista a revolução artística tropical liderada por Caetano. Os baianos lhe deram a régua e compasso. Se a Tropicália quebrava as barreiras do bom gosto e celebrava a brega e kitsch Carmen Miranda, ele entendeu o recado. Fez o primeiro enredo que não celebrava uma figura histórica ou das artes ditas eruditas. Louvou a cultura de massa, a era do rádio, o teatro de revista, a pornochanchada, com o desfile campeão da Serrinha em 1972. Quem poderia dizer que na concentração, as alegorias chegaram praticamente nuas, fazendo começar o disse-me disse. Calmamente, os cabelos ouriçados começaram a trabalhar, tirando de suas cartolas; bananas, abacaxis, araras que fizeram o público delirar. Taí, a revolução tropicalista chegava às escolas de sambas.

Na década perdida, partiu com sua nave de Madureira e encontrou abrigo em Padre Miguel. Com uma pausa turbulenta pros lados de um morro verde e rosa. Abraçado pela Mocidade, encontrou a companheira de bordo perfeita, juntos traçaram rotas inimagináveis. Nem o espaço foi o limite, fizeram todo o universo sambar. Lutaram com os camelões guerreiros contra a devastação da mãe natureza lá pelas bandas do Xingu. Brigaram por causa da margarida gostosa, mas como bom casal, viveram entre tapas e beijos. Conheceram o mundo só comprando muambas. E desbravaram a cidade que o homem branco não conhecia, onde os índios andavam de patins e ouviam heavy metal.



Nordestino e marginal, Pinto circulou no underground carioca. Rompeu gêneros com os revolucionários Dzi Croquettes, se jogou no Dacin Days com As Frenéticas, fez plateias rirem com o talento de Chico Anizyo, foi no balancê balancê de Elba Ramalho. Dirigiu, atuou, roterizou. Jogou nas onze. Figurinista, cenógrafo, decorador do baile do Pão de Açúcar, artista plástico. Se tornou o primeiro artista da folia a expor peças do seu desfile numa galeria da arte. E a coluna social da época, não titubeou, a exposição "Como era verde meu Xingu" foi um sucesso. 

Fernando nunca serviu apenas uma salada de frutas decorada com animais e plantas exóticas. Mergulhou nas contradições tropicalistas, devolveu em imagens o que as músicas queriam dizer. Se negou a habitar os extremos e transitou pelas beiradas. Foi antropofágico. Transformou o POP em cult. O cult em trash. Baianas em insetos. Negões em Xuxa. Índios em guerreiros. Deu adeus ao Brasil quando o otimismo era o sentimento da nação. Não deu ao povo o luxo pelo luxo ou a crítica pela crítica. Uniu os dois num grande caleidoscópio carnavalesco.
Quando enfim a liberdade voltou a raiar na nossa pátria mãe tão distraída e os ventos de uma constituição democrática sopravam, partiu levando sua liberdade cacheada. A Sapucaí havia ficado pequena, ele precisava desbravar o carnaval sideral. Nunca a avenida viu o carnavalesco tão a frente do seu tempo, que dialogou com seu público, os maravilhou e os confundiu. Não veio pra explicar. Sua missão sempre foi brilhar. Bye bye. Beijim Beijim.


Ao meu mestre, louco, gênio, revolucionário, artista, tropicalista, carnavalesco, cacheado, desbundado. Dedico um céu espacial e tropical todo dele. São Fernando Pinto. São Pinto. 







Leonardo Antan é folião frequentador do Sambódromo desde criança e tem verdadeiro amor pelas escolas de sambas. Trabalha, estuda e vive o mundo de confetes e serpentinas durante o ano inteiro. Atualmente, cursa História da Arte na UERJ onde pesquisa também sobre o tema.





Reações:

0 comentários:

Postar um comentário