sábado, 25 de fevereiro de 2017

"O que esperar?": todos os bafos e micos dos desfiles do grupo especial




O Rio abre as portas pra folia. Afinal, como serão os maiores desfiles carnavalescos do mundo? Fazendo a vidente e consultando nossos orixás. Licença, Laíla! Confira o que cada escola tem de positivo e negativo na briga por uma boa posição no carnaval. Sambas, enredos, visual, promete ser um dos carnavais mais disputados dos últimos anos. A crise mingou os temas patrocinados gerando enredos criativos que se transformaram em grandes sambas, numa safra com poucos destaques negativos. De verdade, sabemos apenas que na avenida tudo pode acontecer, alegoria apagar, samba morrer, mas até lá vamos especular. Então, vem com a gente.


1 - Paraíso do Tuiuti


No geral: Blablablá escola que subiu. Blablabá quem subiu caí. Blablabá a bandeira pesa. Com o retrospecto dos últimos mil anos, a gente sabe o que pode acontecer com a Tuiuti. Não precisa nem ser vidente para descobrir.



Pontos extras: .De novidade, temos que a Tuiuti soube reforçar o seu time como poucas que subiram nos últimos três anos. O talentoso carnavalesco Jack Vasconcellos segue, assim como o ótimo mestre Ricardinho. Além deles, o extraordinário casal Marquinhos e Giovanna e o experitente Jayme Arôxa na CF completam os trunfos da escola. 

Perdeu décimos: Bandeira não é quesito, mas a gente sabe que ela conta no julgamento. A posição também não ajuda. Entretanto, o maior vacilo da escola na sua preparação foi não escolher um grande samba, que podia fazer a diferença para empolgar a arquibancada. 


Barracão Tour: Uma das principais credencias do título da amarelo e azul foi o excelente trabalho de Jack, que assina um ótimo enredo sobre a tropicália. Por tanto, não deve faltar criatividade e apuro estético com muitas frutas, animais e flores. A grande aposta parece ser a abertura, que promete impactar. 

Numa escala de 1 a 3 Caetanos o quanto vamos ouvir o ano todo "não merecia ter caído":




2 - Grande Rio

No geral: Taí a surpresa! Pulando as polêmicas a cerca do escolha do enredo sobre Ivete, a gente espera que isso tenha ficado no pré-carnaval. A tricolor vem prometendo pisar forte, a aposta é no carisma e na popularidade da cantora baiana.




Pontos extras: .Mesmo sem o título oficial, a Grande Rio é uma das grande escolas da folia na última década e tem quesitos fortes para isso: o renomado casal coreógrafos da Comissão de Frente, que brilharam na Tijuca anos atrás, a bateria invocada e um samba que não é axé, mas deve fazer todo mundo pular que nem pipoca. 

Perdeu décimos: A posição de desfile, por mais que traga mídia, pode ser um empecilho da tricolor para alçar voos maiores no resultado. O casal de mestre-sala e porta-bandeira também não vem garantido boas notas nos últimos anos. 


Barracão Tour: É verdade que os aspectos plásticos têm vacilado na escola nos últimos anos, será que esse ano Fabinho volta a acertar a mão como em outros anos? Volta Maricá! O trunfo parece ser a grandiosidade, mas bizarrices como umas cadeiras de reality show musical podem tirar preciosos décimos.

Numa escala de 1 a 3 desfiles da GR que não deviam ter voltado no G6, o quanto a vaga este ano no sábado está mais que certa:





3 - Imperatriz Leopoldinense

No geral: Com lugar cativo no G6 nos últimos quatro anos, a Rainha de Ramos não é Ayrton Senna mas tem muitos desafios para vencer nessa corrida esse ano se quiser manter o feito por mais um carnaval. Acelera, Imperatriz!




Pontos extras: A bateria de mestre Lolo e o casal de mestre-sala e porta-bandeira prometem ser os maiores destaques da escola. A nova coreógrafa da CF também está com bastante gás para sua estreia na agremiação após brilhar no Império Serrano ano passado.

Perdeu décimos: Óbvia mas irresistível, não podemos deixar escapar a piadinha sobre o samba morrer na escola. Se os sambas anteriores que já eram ótimos isso aconteceu, como em 2015 e 16, imagina com um que não esteja nesse patamar. Para piorar, passar após o furacão Ivete Sangalao pode ser mais um agravante. Salvaremos o verde do Xingu?


Barracão Tour: Em mais um carnaval na escola, Cahê Rodrigues tem alguns quesitos a melhorar. Se as fantasias tem garantido boas notas nos últimos anos, as alegorias deixaram a desejar. Para isso, o trunfo parecer ser um Xingu grandioso e com alegorias movimentadas. 

Numa escala de 1 a 3 Axé Nkendas o quanto o devemos aproveitar a Imperatriz para descansar e fazer um lanchinho:





4 - Vila Isabel

No geral: Há alguns carnavais tentando voltar para o ninho, a dignidade ainda não sabe se encontrou o caminho certo nas terras de Noel. A querida Vila tem sofrido com más administrações e derrapando nos últimos carnavais, tornando a agremiação uma grande incógnita.




Pontos extras: Com um dos grandes hinos do ano, a azul e branco conta com o talento do grande Igor Sorriso para defender muito bem essa obra, além da comunidade sempre forte em seu canto, que cumpre seu papel na hora H.

Perdeu décimos: A comissão de frente do ano passado, foi um dos principais problemas da escola. Além disso, o casal estreia juntos o que pode fazer o júri torcer um pouco o nariz. 

Barracão Tour: São complicadas as informações sobre o barracão da Vila, dívidas e problemas internos devem atrapalhar o talentoso carnavalesco Alex de Souza que tem nas mãos um grande enredo. 


Numa escala de 1 a 3 Kizombas o quanto a Vila no máximo beliscar um G6 mas é muito difícil:





5 - Salgueiro

No geral: Diz a vidente do site que rima com paparazzo que o Sal não tem vaga no sábado este ano. E as nossas guias o que dizem?



Pontos extras: O que não falta é quesito na vermelho e branco, de comissão à casal, passando por bateria e chegando a um grande carnavalesco. A academia tem tudo pra se perder e se encontrar e furar qualquer previsão de cigana.

Perdeu décimos: O maior viaduto no meio do caminho do Sal tem sido ele mesmo. Alegoria que não faz a curva, que apaga, falta sorte na escola da Sinhá? Vamos fazer esse trabalho bem feito, Sinhá.


Barracão Tour: Criticando no ano passado por pouca criatividade, o rei Lage prometeu colocar pra foder. Será? O enredo promete misturar a história da folia com a divina comédia e deve ser um destaque. O abre-alas deve surpreender e fugir do vermelho e branco tradicional. 

Numa escala de 1 a 3 campeonatos perdidos o quanto o Sal deve aproveitar que ninguém lembra dele e surpreender:


5 - Beija-Flor

No geral: Juntar Beija-Flor e favorita na mesma frase é um pleonasmo tão grande como Vasco e vice, então vamos logo às questões objetivas. Fato é que a soberana nunca ganhou um título domingo em sua história, será que os orixás ajudam dessa vez?


Pontos extras: Elencar qualidades como a força, a comunidade e o histórico casal Selminha e Claudinho é uma obviedade. Mas diferente de muitos dos seus campeonatos, a Beija-Flor tem como trunfo o melhor samba do ano. Se a comunidade canta Boni a plenos pulmões, imagina Juremê. Vai ser fichinha. 

Perdeu décimos: A ideia de acabar com as alas entre os carros tem tudo para ser 8 ou 80. Será que quesitos como fantasias e enredo podem ser penalizados? A gente só espera que a Beija não perca o campeonato por isso, senão sabemos que o chororô será até 2030. 


Barracão Tour: Sempre majestosa, as alegorias devem ser grandiosas. Enquanto as fantasias dos componentes de índios durante todo o desfile devem mostrar uma Beija-Flor mais leve. A pergunta que não quer calar é: será que já no primeiro setor não vamos cansar de tanto índio? Depois de Imperatriz e Beija-Flor, vamos terminar o domingo pós-graduados em população indígena. 

Numa escala de 1 a 3 Laílas qual o favoritismo da Beija esse ano:





1 - União da Ilha

No geral: Abrindo os trabalhos de segunda, pegamos a Linha Vermelha para chegar na tricolor insulana. Vindo de um carnaval com um mal resultado, a Ilha merece alçar voos maiores. Com um samba forte e alegorias grandiosas, a Ilha quer incorporar Beija-Flor na força africana. 




Pontos extras: Um sambaço com há tempos não tinha e o talento de Ciça e Ito Melodia devem credenciar a agremiação a tirar boas notas nos quesitos musicais. 

Perdeu décimos: A pena é que a briga pelo G6 está disputado, será que vai sobrar vaga pra tricolor? A Comissão de Frente da escola ano passado foi mal avaliada, será que com a troca do coreógrafo e a chegada  do renomado Carlinhos de Jesus vai ajudar?


Barracão Tour: Após brilhar anos no acesso, Severo está parecendo agarrar com unhas e dentes sua chance de brilhar no especial. A temática africana de proposta nova foi um achado acertado. De estilo mais clássico, o carnavalesco não promete invencionice, mas grandiosidade e requinte.

Numa escala de 1 a 3 Itos Melodias o quanto queremos ver todo mundo na Ilha incorporar:





2 - São Clemente

No geral: A cada ano vem crescido a expectativa da escola da zona sul voltar no sábado, a gente torce que a preto e amarelo enfim consiga essa façanha que ela merece desde 2015. O problema é a disputa acirrada deste ano.




Pontos extras: Com as bençãos de Rosa Deus Magalhães, o talento da mestra tem sido o grande destaque da escola nos últimos carnavais. Além de contar com um ótimo casal que garante sempre notas boas.

Perdeu décimos: Evolução e harmonia parecem ser sempre a pedra no sapato da São Clemente, sendo abrindo buracos ou com a falta de empolgação de seus componentes. O samba esse ano deu uma subida de nível em relação ao anterior, o que deve ajudar. 


Barracão Tour: Deus seja louvado! Amém Rosa Magalhães. O que falar desse iluminado não é mesmo? Dona e proprietária do carnaval, a artista resolveu apostar num enredo histórico mas de pegada irreverente e crítico, com seu melhor estilo barroco. A deixando ainda mais confortável para nos brindar com mais uma aula de carnaval.

Numa escala de 1 a 3 Rosas o quanto queremos a SC saindo da meiuca e alçando voos maiores:





3 - Mocidade Independente de Padre Miguel

No geral: Ufa, essa foi por pouco em Padre Miguel. O que uma posição de desfile não pode fazer com uma escola? Balançando mas não caindo, a Mocidade segue como aposta de todo ano em voltar nas campeãs. Mais favorita que Império e Portela pelo título. Será que esse jejum se quebra?



Pontos extras: O grande samba escolhido oxigenou toda a aposta de carnaval da verde e branco que não defende grandes quesitos e escolheu um enredo que não figura entre os melhores do ano. Será que vai dar pra sonhar?

Perdeu décimos: Com um histórico não favorável, a Mocidade tem alguns quesitos a melhorar para sonhar com Sherazade. Comissão de Frente e enredo, por exemplo.




Barracão Tour: Perlingeiro tour? Não mais! Em entrevistas, o experiente Louzada disse que o acabamento deve melhorá esse ano e escola se programou mais. A verdade é que todo ano a Mocidade diz consertar seus erros passados, será que vai enfim?

Numa escala de 1 a 3 Perlingeiro a vidente aposta em Mocidade numa posição de dois dígitos:


4 - Unidos da Tijuca

No geral: Chega my brother! Roubando apelidos da Beija-Flor, a Tijuca se tornou o grande rolo compressor e bicho papão dessa década. Defendendo quesito a quesito, quando você bobeia ela chega em segundo lugar de mansinho.




Pontos extras: Gabaritada e organizada, o Pavão é dessas escolas que pra falar de pontos forte teríamos que dizer quesito a quesito. Então de casal à bateria, muitos fatores podem ajudar o Borel.

Perdeu décimos: O único senão é o samba que pode arrancar alguns décimos. É verdade que não é novidade que a comunidade o cantará a plenos pulmões, o que não fazem ele perder alguns décimos em letra e melodia. Mas nada que impeça a Tijuca de Acelerar na avenida.


Barracão Tour: Sabendo segurar a escola, a Comissão de Carnaval vai apostar numa estética bem pop e internacional para o enredo sobre música americana. Coreografias à la Beyonce, passinhos de Michael Jackson, tudo para garantir bastante comunicação com o público no melhor estilo paulobarriano.

Numa escala de 1 a 3 carnavalescos que dizem as más línguas serão demitidos, o quanto a Tijuca não deve passar do quarto lugar:






5 - Portela

No geral: Será que vem um tsunami na avenida? Haja água! De volta ao time das grandes, a águia não parecer sentir tanto a perda de seu comandante, mas deve usar isso como fator para impulsionar sua sonhada vitória. 



Pontos extras: Com um dos grandes carnavalescos da atualidade, a Portela confia nas coreografias e invenções de Paulo Barros. Além de uma bateria competente e uma comunidade que sempre canta forte na avenida. 

Perdeu décimos: O samba-enredo da escola pode dividir opiniões, mas ele não tem grandes defeitos e forte possibilidade de explodir na avenida como ano passado. Preocupante para a águia mesmo, são os mesmos quesitos que lhe tiraram as duas primeiras posições ano passaodo: a Comissão que tocou de coreógrafo há poucos meses e o casal que não consegue garantir boas notas. 


Barracão Tour: Sempre difícil falar de um barracão de Paulo Barros sem os efeitos e as pessoas batendo palminha em cima. O que sabemos é que teremos muito ouro em homenagem a Oxum e uma alegoria sobre a tragédia de Mariana que deve impactar. Agora vai Portela, ops...

Numa escala de 1 a 3 antigos presidentes o quanto a Portela agora só vem para brigar pelo título:





6 - Mangueira

No geral: Tem coisas que só a Mangueira pode fazer, uma delas é sair do décimo lugar ser campeã e ainda perigar ganhar o bi. O que não falta é força e disposição para isso. Será que o arrastão verde e rosa vai passar de novo?




Pontos extras: Restruturada, a Mangueira tem a força do seu verde e rosa e muitos aspectos positivos que a colocam na disputa. Um samba que tem tudo para funcionar e, sobretudo, o talento do seu grande carnavalesco. Além de sua grande porta-bandeira que novamente deve brilhar muito.

Perdeu décimos: O único grande problema do carnaval passado em perda de pontos para a Manga foi sua comissão de frente que não fez uma grande apresentação. Senão melhorar, esse pode ser um empecilho para a agremiação de Cartola na busca do bi.


Barracão Tour: A maior revelação dos últimos anos, Leandro Vieira tem muito talento, competência e apuro estético. Muitas qualidades que devem mais uma vez fazer a velha Manga dá outro show nos quesitos plásticos. 

Numa escala de 1 a 3 Bethânias, o quanto o arrastão Mangueirense deve passar roubando o título das co-irmãs:






Cabine dupla, tempo menor, é um carnaval cheio de desafio e novidades para as escolas. Além de todas estarem fazendo o dever de casa, o quesito sorte aliado a muita preparação podem fazer dessas umas das competições mais acirradas da história. Quem vai se dar bem nesse novo modelo? Quem vai se salvar e pular a frente das demais? Vamos conferir na quarta que vem.


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário