quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Os Cinco Mais: nobres casais que encantam a folia paulistana

Foto: Acadêmicos do Tucuruvi | Arte: Carnavalize

Por Bruno Malta e Alisson Valério
O carnaval já está batendo na porta e para matar um pouco dessa ansiedade resolvemos falar sobre a história do Carnaval de São Paulo. Na série "Os 5 Mais", traremos cinco grandes casais de Mestre Sala e Porta-bandeira, cinco grandes interpretes, cinco grandes Comissões de Frente, cinco grandes momentos de Bateria e, claro, cinco grandes Sambas. E para dar início a essa série resolvemos falar sobre os nobres casais de mestre sala e porta-bandeira.

O quesito mestre-sala e porta-bandeira é um dos mais bonitos e difíceis do Carnaval. Duas pessoas carregam o pavilhão da escola e o peso de ter mais de 10% da nota total de uma escola de samba. Apesar disso, sabemos que entre os guerreiros dessa arte, temos os destaques anuais. Por isso e como forma de reconhecer esse trabalho, resolvemos listar os cinco principais casais de mestre-sala e porta-bandeira surgidos na era Anhembi.

Então vamos lá que a sirene já tocou e o desfile de grandes casais já vai começar!  

Karina Zamparolli e Emerson Ramires – Mocidade Alegre
Foto: Alan Morici/G1
Casal unido pelo acaso da lesão da consagrada porta-bandeira Adriana Gomes, Karina e Émerson estrearam juntos no Carnaval de 2013. Ela, que não desfilava desde 2011, saiu de uma contratação contestada para a consagração ao lado do parceiro, que culminou no bicampeonato da escola do bairro do Limão conquistado graças aos 50 pontos trazidos pela dupla. A partir daí e já respeitados, a dupla fez apresentações arrebatadores na Passarela do Samba. No tricampeonato, ajudaram a escola também garantindo a nota máxima possível. Em 2015, o título não veio, mas os dois brilharam com a pontuação total e mais um show de elegância e simpatia. Nos últimos dois anos, a Mocidade Alegre não teve um desempenho exuberante no todo, mas a dupla seguiu impecável. Com um show de caracterização, garantiram 30 pontos em 2016 e bailaram como poesia em 2017 no cinquentenário da escola. Apesar do pouco tempo junto, a dupla Émerson e Karina pode ser considerada, um dos principais casais que o Anhembi que já teve.
 


Michel e Idely – Gaviões da Fiel
Foto: Rosa Bastos/Folha Imagem
Juntos desde a estreia dos Gaviões da Fiel no Grupo Especial – conhecido como Grupo 1 na época – Michel e Idely são uma marca na história do Carnaval Paulistano. Estiveram juntos de 1990 a 2007 como primeiro casal da escola alvinegra e, com isso, participaram dos quatro desfiles campeões da agremiação. Apesar disso, nem tudo foram flores para o casal. Em 2000, por conta de um deslize cometido pela dupla, o sonho do bicampeonato da alvinegra foi adiado. Em 2006, a quebra do mastro da bandeira afetou completamente a apresentação do casal. Entretanto, a marca deles é a regularidade sempre presente. As apresentações inesquecíveis do casal contribuíram para os mágicos campeonatos de 95, 99, 2002 e 2003. Além disso, os dois não abandonaram a escola nem nos piores momentos. Tanto quanto em 2005, quanto em 2007, quando a Torcida que Samba esteve no Grupo de Acesso, Michel e Idely se fizeram presente bailando com muita elegância e leveza. Pela fidelidade empregada pela dupla, as apresentações inesquecíveis e a carreira construída ao longo dos 17 anos de carreira, é impossível falar sobre os grandes casais do Anhembi sem citar Michel e Idely.

A partir de 20:17:



Renatinho e Fabíola – Vai-Vai, Império de Casa Verde, X-9 e Tucuruvi
Foto: Lucas Lima/UOL
Um dos mais tradicionais casais de mestre-sala e porta-bandeira da cidade de São Paulo. Renato e Fabíola Andrade ou, simplesmente, Renatinho e Fabíola são um marco do bailado no Anhembi. Formados no Brinco da Marquesa, entraram para o Vai-Vai em 1993 se tornando o primeiro casal da alvinegra em 1998, onde a escola do Bixiga foi campeã. A partir dali a sequência de títulos da mais tradicional das escolas paulistanas se misturou com a carreira premiada da dupla. Em 2005, o último desfile pela preta e branca foi premiado com o Troféu Nota 10. A partir de 2006, o casal passou a bailar pela nova potência Império de Casa Verde, numa transferência considerada marcante no Carnaval Paulistano. Após uma trajetória de marcas e conquistadas na Casa Verde, o casal bailou pela X-9 Paulistana e pela Acadêmicos do Tucuruvi, sempre com muita elegância, beleza e carisma. Por conta de sua trajetória sempre em alto nível e pela marca construída em suas carreiras, falar dos grandes casais do Anhembi, sem falar de Renatinho e Fabíola é simplesmente impossível.
 

  
Luís Antônio e Sueli Costa – Rosas de Ouro
Foto: José Cordeiro/SPTuris
Luizinho e Sueli formaram um dos grandes casais da passarela do Anhembi. Eles defenderam o pavilhão da Sociedade Rosas de Ouro de 2005 a 2014, conquistando o título de 2010 pela escola. A estreia do casal pela escola foi justamente no ano do enredo "Mar de Rosas", um desfile que já seria inesquecível para os dois foi extremamente mágico e emocionante, culminando numa apresentação arrebatadora. O casal sempre se destacou pela sintonia fina apresentada nos desfiles, além da regularidade e do bailado de bailarina da Sueli, que encantava o público e os jurados. Mas como nem de flores se faz uma história no carnaval, eles também tiveram as suas tempestades pelo caminho; em 2013, a dupla não conseguiu trazer a nota máxima e acabou tirando as chances de título da escola naquele ano, mas em 2014 eles vieram em busca da redenção e nem mesmo a chuva que caiu iria atrapalhar o desempenho dos dois. O resultado foi a nota máxima, o que viria a ser um encerramento de uma parceria inesquecível para o carnaval. É impossível falar sobre os grandes casais do carnaval paulistano sem citar Luizinho e Sueli.
 


Pingo e Paulinha – Vai-Vai
Foto: Alexandre Scheneider/UOL
Substituir o casal Renatinho e Fabiola não é uma missão fácil, mas foi o chamado que Pingo e Paulinha receberam no carnaval de 2006, iniciando ali uma caminhada na escola que continuam trilhando até os dias de hoje com muito sucesso. Ele que chegou a escola em 2001 e era, até o momento, terceiro mestre sala.  Ela, que era a segunda porta-bandeira, desfilava pela escola desde os 7 anos e é da família dos fundadores da escola. Eles iriam estrear a parceria logo como primeiro casal do Vai-Vai, uma grande responsabilidade. Com uma fantasia denominada “Orgulho de ser Vai-Vai”, eles desfilaram em busca da nota máxima no amanhecer do dia e com muita garra mostraram o seu valor e conquistaram os tão sonhados trinta pontos. Nascia ali um dos grandes casais da história do carnaval paulistano. O casal que se prepara para o décimo segundo desfile como primeiro casal do Vai-Vai tem pela sua trajetória três títulos (2008, 2011 e 2015), várias premiações, grandes apresentações e uma carreira regada de notas máximas. Pingo e Paulinha têm o carinho, respeito e a admiração não só do Vai-Vai, mas de toda a comunidade sambista. Não dava para falar dos grandes casais e não citar o casal que virou um dos patrimônios do Carnaval de São Paulo.  
 


 Esses cinco casais são um pequeno resumo de todas as centenas de casais que brilham com seu gingado e elegância ano após ano no Anhembi. Para continuar conhecendo mais do Carnaval de São Paulo acompanhe a série "Os 5 mais".





Reações:

0 comentários:

Postar um comentário