sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

"O que esperar?": as previsões para os desfiles da Série A 2018


Não somos a vidente do site de samba que rima com paparazzo, muito menos o mestre soberano, Laíla, mas viemos aqui consultar nossos orixás e dar alguns pitacos. Grandes especialistas brasileiros do samba. Fizemos um resumão do que pode surpreender ou fazer a escola empacar na curva. Apurando todas as notícias que saíram, os babados, as tretas, as fotos de barracão tiradas pelos agentes secretos, tudo mesmo para trazer pra vocês a melhor análise pré-desfile possível. Antes que já comece o mi-mi-mi, vai com calma, jovem, é sempre bom lembrar que desfile é na avenida - e nós sabemos disso. Tudo pode cair por terra quando a escola cruzar aquela linha mágica. Quem vai surpreender ou vai decepcionar, só esperando a sirene tocar. Para controlar a TPC, entretanto, vem com a gente.

Em meio a crise, foi um ano super difícil para a Série A, uma verdadeira aula de superação. 


Sexta
1 - Unidos de Bangu

Sou quilombola Beija-Flor, sangue de rei... Ops.


No geral: Voltando para dar aquele alô na Série A após dois anos de sua última passagem, a Unidos de Bangu parece mais estruturada desta vez. E, para lutar pela permanência do grupo e esquecer de vez o vexame da última passagem pela Série A, resolveu apostar na temática africana. 

Pontos extras: A escola confiou na experiência de Cid Carvalho pra invocar "Áfricas" e trazer a realeza africana pro Brasil com muita opulência e muita pedraria. Com as bençãos de sempre, o tema afro rendeu um samba a altura, que pode fazer a escola incorporar na avenida. 



Perdeu décimos:  Escola que sobe. Primeira de sexta. Sabemos o que isso significa, né não?

Barracão Tour: Um início bem afro, com animais, um Zumbi aqui, outro Chico Rei ali, terminando em manifestações culturais... Sabemos bem onde esse enredo vai levar, né? Então, é apostar no talento de Cid e nos demais quesitos da vermelho e branco. 

Vem sentir seu calor, será que dessa vez chegou pra ficar mesmo? 

De 1 a 3 desfiles africanos o quanto a Bangu pode incorporar na avenida



2 - Império da Tijuca

No geral: A Bangu até pode ter ido embora, mas os orixás não foram liberados, não. E, na lista de presença desse ano, o "aluno" escolhido foi Omolu. No primeiro ano após o marcante casamento com Junior Pernambucano, o Império da Tijuca voltou a apostar num tema afro e nada melhor que o orixá dono das terras africanas pra resgatar as raízes da escola.



Pontos extras: Imperinho e africanidade são sinônimos de lacre nos últimos carnavais, para manter a escrita, o samba inspirado no Olubajé, um banquete oferecido aos presentes com as comidas preferidas de Obaluaê, cumpre bem o papel.

Perdeu décimos:  A escola segue com uma ótima bateria e samba, os quesitos plásticos podem ser o grande calcanhar de Aquiles da agremiação.



Barracão Tour: Entre fantasias e alegorias, a verde e branco parece oscilar bastante. Com búfalos cansados e uma profusão de pipocas, as fantasias parecem não ser o principal atrativo do desfile... já as alegorias, parecem mais bem elaboradas! Apostando numa africanidade opulenta, bem Beija-flor mesmo, será que o chão volta a tremer com o Império da Tijuca?

De 1 a 3 desfiles de orixás, o quanto vamos incorporar


3 - Sossego

No geral: Depois de cumprir com louvor a árdua missão de permanecer no grupo, a Sossego vem embalada pela força dos mais diversos rituais pra se firmar de vez na Série A. 



Pontos extras: Assim como no ano passado, o samba é um dos trunfos para o desfile da azul e branco. A obra sem verbos (entenda aqui o porquê da não utilização de verbos) tem qualidade e um refrão explosivo, aliado a bateria que segue no comando de mestre Átila. OLHA O TOQUE DO AGOGÔ... A volta do intérprete Nêgo também promete ser um dos pontos altos do desfile.

Perdeu décimos: O enredo parece ser um dos quesitos que podem complicar a vida da Sossego, complexo e amplo demais para os reduzido tempo e desfile da Série A. Será que teremos um bom desenvolvimento na pista? Esperamos que sim! E que a agremiação consiga sossegar de vez e permanecer no grupo - ba dum tss.

Barracão Tour: Os quesitos plásticos podem ser a prova de fogo da escola que aposta na estreia do carnavalesco Petterson Alves no Rio de Janeiro, vindo de Vitória. Tem-se pouca notícia do barracão, mas a escola promete uma abertura impactante. 

De 1 a 3 escolas de Niterói o quanto a Sossego deve se firmar no grupo



4 - Porto da Pedra

No geral: Embalada por carnavais alegres e simpáticos, a Porto da Pedra, no seu feliz casamento com Jaime Cezário, volta a apostar num enredo agradável e popular: as rainhas do Rádio.

Pontos extras: A comunicação do público com fantasias leves, criativas e de fácil leitura, ponto que marcou os últimos carnavais, deve se repetir. Além disso, a excelente bateria comandada pelo icônico mestre Pablo e a temática bastante viva no imaginário popular provavelmente ajudarão a dar o tom do cortejo.  


Perdeu décimos:  A Comissão de Frente, que foi destaque da escola nos últimos carnavais, está sob novo comando. Resta saber se Jardel Lemos repetirá o sucesso dos anos anteriores e manterá a escrita de ótimas cabeças de desfile da Porto.

Barracão Tour: Alegorias e fantasias não devem ser um problema maior pro Tigre de São Gonçalo, apesar da crise, Jaime Cezário é carnavalesco experiente e deve repetir o bom trabalho dos últimos anos. 

De 1 a 3 Carequinhas o quanto a Porto vai brincar na Avenida



5 - Renascer de Jacarepaguá

No geral: Vindo de um pré-carnaval particularmente complicado, a Renascer é uma das escolas que tiveram de vencer muitas dificuldades para colocar seu carnaval na rua. Apesar das adversidades, a agremiação trabalhou duro e não deve fazer feio.



Pontos extras: Um excelente samba-enredo já se tornou marca da agremiação da Zona Oeste e a obra encomendada, como nos últimos anos, garantirá supostamente boas notas nos quesitos musicais. O simpático enredo sobre a Amazônia conduzido pelo maestro Villa-Lobos é outro trunfo que pode ser um bom quesito da escola. 

Perdeu décimos:  Apesar dos bons sambas, a harmonia da vermelho e branco já se tornou famosa por não sustentar na voz suas obras musicais. Será que esse ano muda?


Barracão Tour: Mesmo depois do trágico incêndio em seu barracão no ano passado, a dupla de carnavalescos da agremiação promete desenvolver um carnaval competente na Sapucaí, fazendo a agremiação figurar no meio da tabela por mais um ano.




De 1 a 3 desfiles medianos, o quanto a meiuca é o lugar cativo da Renascer:


6 - Estácio de Sá

No geral: Vindo de bons carnavais, a Estácio de Sá deve manter o nível de apresentações que a credenciam para o título. O leão de São Carlos é o favorito de sexta e tem tudo para fazer o melhor desfile da noite.


Pontos extras: A força e garra da comunidade da vermelho e branco com certeza serão destaques da escola mais uma vez, assim como a comissão de frente, que brilhou no último carnaval.

Perdeu décimos:  O enredo e o samba são dois complicadores para um melhor desempenho do Leão; o tema por ter desenvolvimento parecido com o que a Caprichosos apresentou em 2015 e o samba pela falta de inspiração e de belas passagens.




Barracão Tour: A estreia de Tarcísio Zanon sozinho no comando de um carnaval da Estácio deve ser a prova de fogo do artista. Após dividir função com Amarildo e Chico Spinoza, o carnavalesco tem uma grande chande de mostrar seu talento.

De 1 a 3 Caprichosos 2015 o que Estácio vai apresentar na avenida:




Sábado

1 - Alegria da Zona Sul

No geral: Sempre oscilando na parte de baixo da tabela, em meio a crise, a Alegria tem mais um carnaval marcado por dificuldades. Após o penúltimo lugar do ano passado, a escola figura nas prováveis rebaixadas, apesar do tema bastante rico e interessante.



Pontos extras: Com uma bela narrativa africana e um samba que é muito feliz ao retratar o enredo, a Alegria pode ter nestes dois quesitos a chave do segredo da permanência no grupo.


Perdeu décimos:  A dificuldade nos quesitos de pista e falta de outros pontes fortes podem prejudicar mais uma vez a vermelho e branco.

Barracão Tour: A escola continua sob a assinatura de Marco Antônio Faleiros, que sempre apresenta um visual competente em meio as dificuldades. Num ano marcado pela severa crise, e até mesmo em ano mais folgados, a escola trabalha com reciclagens de outras agremiações. Resta-nos ver se serão bem feitas.



De 1 a 3  balançam mas não caem o quanto a Alegria pode se garantir mais um ano



2 - Santa Cruz

No geral: Sempre apresentando carnavais medianos nos últimos anos, a Santa Cruz trouxe reforços para este ano. Com reforços de pesos, como Max Lopes e Quinho, a agremiação mais distante da zona oeste formou um belo #DreamTeam dos anos 2000.


Pontos extras: A Santa Cruz tem a seu favor sua tradição no grupo de acesso e o intérprete que estreará na escola, Quinho, que por característica costuma mexer com a galera e pode ajudar a agremiação não fazer um desfile tão "frio".

Perdeu décimos:  O enredo e o samba confusos recheados de clichês prometem mais um desfile com uma sensação de dejà vú da escola.


Barracão Tour: Max Lopez enfrentou dificuldades, mas promete um desfile grandioso e alegre, as imagens, no entanto, indiciam mais um desfile não tão inspirado assim da agremiação. Será que esse balança mas não cai da Santa está perto de terminar?

De 1 a 3 desfiles sem graça da Santa Cruz o quanto o flop é certo


3 - Viradouro

No geral: FAVORITA. CAMPEÃ. "PASSA NO DÉBITO!". JÁ SUBIU!

Pontos extras: GRANA MUITO GRANA. Sem esquecer a comunidade forte de Niterói que já é sempre favorita por natureza.



Perdeu décimos:  O samba não é dos melhores e o enredo parece um recorte de coisas já vistas na avenida. Dois quesitos que podem comprometer e ser uma pedra no meio do caminho da favoritíssima Viradouro.

Barracão Tour: A contratação de Edson Pereira trouxe um novo gás na Viradouro, após o excelente carnaval da escola no ano passado. Dizem que o barracão tá pronto desde o ano passado, só falta tirar um pózinho e tá pronto pra desfilar.


De 1 a 3 desfiles favoritos no pré-carnaval, o quanto só depende dela mesmo o título

  


4 - Rocinha



No geral: Quero ver segurar again! Depois de surpreender ano passado, a Rocinha tem tudo pra brigar pelas primeiras posições na folia, quem sabe até beliscar um título. Você quer, Niterói e Zona Oeste?

Pontos extras: O reforço do carnavalesco campeão Marcus Ferreira, com um belo enredo sobre a xilogravura, pode conduzir a escola a uma grande apresentação.

Perdeu décimos:  A Comissão de Frente foi um quesito complicado pra borboleta no ano passado.


Barracão Tour: Com muita criatividade, o carnavalesco Marcus promete um enredo original, apostando numa estética moderna pra falar da cultura popular. As fantasias estão lindíssimas e o capricho no barracão parece ser o principal trunfo da agremiação. 

De 1 a 3 desfiles surpreendentes quem sabe a Rocinha belisca um título



5 - Cubango

No geral: Depois de um ano complicado em 2017, o reforço dos carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad provavelmente trará um novo gás pra agremiação de Niterói, que vem reformulada e sob nova direção. RESGATA!



Pontos extras: Com um dos melhores enredos do anos, a dupla de carnavalescos estreante na Sapucaí promete uma estética inovadora para falar do artista Bispo do Rosário. Com a promessa do despontar de novos talentos e de um desfile melhor que o do último, a verde e branco de Niterói tá prometendo fazer bonito.

Perdeu décimos: A inovação estética pode ser tudo ou nada, 8 ou 80, então só jogando os búzios ou esperando o desfile pra saber o que vai acontecer, como não sabemos jogar...


Barracão Tour: As fantasias liberadas no pré-carnaval dividiram opiniões, mas apostamos num belo conjunto da verde e branco, que com certeza pode surpreender. O enredo vai respeitar a estética do artista homenageado, adaptando-o pra Sapucaí.

De 1 a 3 jovens talentos, o quanto a dupla "Boraddad" deve estrear com tudo


6 - Inocentes

No geral: Sempre oscilando no meio da tabela, a Inocentes manteve boa parte de sua equipe para o carnaval de 2018 e deve continuar desfilando com tranquilidade. 

Pontos extras: Diferente do péssimo samba do ano passado, a escola da Baixada tem uma ótima obra musical, fruto de uma encomenda, que pode ser um dos pontos fortes do desfile.



Perdeu décimos:  A escola não tem quesitos tão fortes e os quesitos plásticos também podem ser um problema. 

Barracão Tour: Mais uma escola com dificuldades, e que pelo visto, as alegorias bebem no reaproveitamento do reaproveitamento. Nem cai, nem sobe. Já sabe? Hora de ir fazer aquele lanchinho.

De 1 a 3 milk-shakes o quanto deve rolar aquele descanso na hora da Inocentes



7 - Unidos de Padre Miguel


No geral: Tá descansado? Então segura que lá vem pedrada! Agora vai, Padre Miguel? É a pergunta que a gente sempre se faz. Há anos promovendo grandes desfiles, a UPM vem renovada prometendo deixar de bater na trave.

Pontos extras: Uma comunidade forte, um grande samba, um enredo lindo e um dos melhores carnavalescos da nova geração. A gente precisava de, pelo menos, uns cinco parágrafos para listar as credenciais da escola da zona oeste.


Perdeu décimos:  Se o universo confluir, esperamos que o astral contribua e tudo dê certo. Pois só depende dela mesmo.

Barracão Tour: A chegada de João Vitor Araújo não deve abalar a estética luxuosa e imponente da vermelho e branco da zona oeste, pelo contrário, o carnavalesco já conhecido por seu estilo requintado deve trazer mais um festival de grandes alegorias pra encerrar a Série A de 2018.

De 1 a 3 Laílas o quanto a UPM tá merecendo essa taça faz tempo



Verdades inabaláveis caem por terra quando a sirene toca, então é só esperar. Em meio a um cenário complicado, a gente só torce que a escolas do acesso surpreendam e mandem recados para certos prefeitos, já que nossa festa continua pra lá de viva. Amém, Rosa! 


Reações:

0 comentários:

Postar um comentário