quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

O quão difícil é a missão de Águia de Ouro e Colorado do Brás?

Foto: LIGA/SP
Por Alisson Valério
Subir e permanecer no Grupo Especial é o sonho de toda escola que está no Grupo de Acesso, mas o quão difícil é essa missão? Em São Paulo os holofotes em 2019 estarão virados para a Águia de Ouro e a Colorado do Brás. 

A Águia de Ouro retorna ao Grupo Especial depois do seu rebaixamento em 2017 com o enredo “Amor com amor se paga. Uma história animal!”. Já a Colorado do Brás retorna a elite paulistana após 25 anos. O último desfile no Especial foi com o enredo “Mascaradas Ilusão da Vida” no ano de 1993. 

Fizemos um levantamento dos últimos dez carnavais em São Paulo, até para não ficar muito longe do modelo de julgamento atual, e ter uma melhor noção do que pode acontecer em 2019. Curiosos para ver o resultado? Então vamos começar! 

2009: Unidos do Peruche com o enredo “Do ventre da Terra à indomável cobiça do homem” e a Leandro de Itaquera com o enredo “Leandro de Itaquera faz a festa das periferias do Brasil para o Mundo. Salve, Salve nossa estrela Regina Casé!” buscavam a permanência, mas apenas a Leandro de Itaquera conseguiu o feito ficando na 12ª colocação.

Foto: Lalo Almeida/Folha Imagem

2010: Imperador do Ipiranga com o enredo “Da Antiguidade a Tecnologia: Medicina, a Nobre Arte de Salvar Vidas” e Águia de Ouro com o enredo “Ribeirão Preto - Região à Frente do Seu Tempo: Da Abolição ao Agronegócio, Terra de Liberdade e Riqueza!” voltavam ao Especial na esperança de não sair mais de lá, mas após a apuração apenas o sonho da Águia de Ouro se tornou realidade com a conquista da 11ª colocação. 

Foto: Alexandre Schneider/UOL

2011: Unidos do Peruche com o enredo “Abram as cortinas, o espetáculo vai começar! 100 anos do Teatro Municipal de São Paulo, Peruche vai apresentar. Bravo, Bravíssimo” e Nenê de Vila Matilde com o enredo “Salis Sapientiae- Uma história do mundo” buscavam o seu lugar de direito no Grupo Especial, mas os clamores das duas escolas não foram ouvidos e as duas voltaram ao Grupo de Acesso no ano seguinte. 

Foto: Daigo Oliva/G1

2012: Camisa Verde e Branco com o enredo “É o amor...” e Dragões da Real com o enredo “Mães, ventre da vida essência do amor” brigaram pela permanência na elite paulistana, mas apenas a Dragões da Real que estreava no Especial conquistou o seu desejo ficando na 8ª colocação. 

Foto: Alexandre Schneider/UOL

2013: Tatuapé com o enredo “Beth Carvalho, a madrinha do samba” e Nenê de Vila Matilde com o enredo “Da Revolta dos Búzios a atualidade. A Nenê canta a igualdade!” sonhavam com a permanência no Especial e os jurados atenderam ao pedido das duas agremiações. Nenê terminou a apuração na 8ª colocação e a Tatuapé na 11ª colocação. 

Foto: Marcos Bezerra/Estadão

2014: Leandro de Itaquera com o enredo “Ginga Brasil: Futebol é raça, em 2014 a Copa do Mundo começa aqui!” e Pérola Negra com o enredo “Caminhos a seguir, lugar encontrei... Pérola Negra a suprema felicidade” buscavam o seu retorno a elite de forma permanente, mas infelizmente nenhuma das duas conseguiram o feito. 

Foto: Cláudio Lira/LIESSP

2015: Mancha Verde com o enredo “Quando surge o alviverde imponente, 100 anos de lutas e glórias” e Vila Maria com o enredo “Só os diamantes são eternos, na química divina” buscavam o seu lugar especial por mais um ano, mas apenas a Vila Maria o tornou realidade conquistando a 10ª colocação. 

Foto: Eduardo Enomoto/R7


Foto: Rafael Neddermeyer/LigaSP
2016: Pérola Negra com o enredo “Do Canindé ao samba no pé. A Vila Madalena nos passos do balé” e Unidos do Peruche com o enredo “Ponha um pouco de amor numa cadência e vai ver que ninguém no mundo vence a beleza que tem o samba... 100 anos de samba, minha vida, minha raiz” queriam mais um ano no Especial, mas apenas a Filial do Samba conquistou o seu desejo. A escola ficou na 12ª colocação. 


2017: Mancha Verde com o enredo “Zé do Brasil, um nome e muitas histórias” e Tom Maior com o enredo “Elba Ramalho canta em oração o folclore do Nordeste. Toque sanfoneiro: forró, frevo e xaxado...” buscavam o seu retorno triunfal ao Grupo Especial e assim aconteceu. As duas conquistaram a permanência na elite do carnaval paulistano. A Mancha Verde conquistou a 10ª colocação e a Tom Maior a 12ª colocação.

Foto: Alan Morici/G1

2018: Independente Tricolor com o enredo “Em cartaz: Luz, câmera e… terror. Uma produção Independente!” e X-9 Paulistana com o enredo “A voz do samba é a voz de Deus. Depois da tempestade, vem a bonança!” sonhavam com uma vaga no Especial no ano seguinte, mas apenas a estreante teve o seu pedido negado. A X-9 Paulistana conquistou a sua permanência com a 11ª colocação. 

Foto: LigaSP

Com a pesquisa finalizada vamos a explanação dos dados obtidos. Em duas oportunidades (20%) nenhuma das escolas conseguiu a permanência no Grupo Especial vindo do Grupo de Acesso (2011 e 2014). 

Em seis oportunidades (60%) pelo menos uma das duas escolas ascendentes ao Especial conseguiu permanecer na elite do Carnaval de São Paulo (2009, 2010, 2012, 2015, 2016, 2018). 

Em duas oportunidades (20%) as duas escolas conquistaram a permanência no Grupo Especial (2013 e 2017). 

Em oito oportunidades (80%) nós tivemos uma ou duas escolas conquistando a sua permanência no Grupo Especial (2009, 2010, 2012, 2013, 2015, 2016, 2017 e 2018).
   

Retrospecto no Especial 

Agora vamos olhar individualmente o retrospecto de cada uma das escolas ascendentes ao Grupo Especial em 2019. 

A Colorado do Brás subiu e permaneceu no Especial nas duas oportunidades. No ano de 1986 quando levou para a avenida o enredo “Ah!, Se eu Fosse Noé” terminando na oitava colocação e em 1992 com o enredo “A cara do Pai, a cara da Mãe” também conquistando o oitavo lugar. Um aproveitamento de 100%. Ótimo sinal para quem está voltando ao Especial com o mesmo objetivo em 2019. 

Foto: LigaSP

Já a Águia de Ouro tem uma história mais movimentada no Grupo Especial. Foram 6 tentativas de permanência no Especial vindo do Grupo de Acesso. Ao total foram três permanências e três voltas imediatas a segunda divisão paulistana. Um aproveitamento de 50%. Um aproveitamento para deixar o torcedor da escola esperançoso. 

A escola subiu e permaneceu em 1987 (Para Viver um Grande Amor), 1999 (A criação do mundo ao terceiro dia) e em 2010 (Ribeirão Preto - Região à Frente do Seu Tempo: Da Abolição ao Agronegócio, Terra de Liberdade e Riqueza!). E os anos que a escola não conseguiu a sua permanência foram: 1984 (Mil vidas, o Teatro Através dos Tempos), 1991 (São Paulo, Pátria mia) e em 1997 (Siyau-Yu - Do grão sagrado ao passado: a esperança do futuro). Importante analisar nesses dados que a escola conseguiu permanecer nas duas últimas subidas ao Grupo Especial, mais um dado para encher a comunidade da Pompeia de esperança. 

Foto: LigaSP
Trouxemos esses dados sem a intenção de afirmar ou cravar o resultado do próximo carnaval, mas sim mostrar que a disputa para a permanência nos últimos dez carnavais em São Paulo sempre esteve aberta e não deve ser diferente no próximo ano. Então os torcedores da Águia de Ouro e da Colorado do Brás podem ter esperança sim, mas como não é novidade para ninguém, muito menos para as escolas em questão, o carnaval só acontece na pista e apenas depois do desfile que teremos o veredito final de cada uma delas. Então para as escolas só resta fazer o melhor desfile possível e sonhar com mais um ano Especial. 



Reações:

Um comentário:

  1. Até nisso os desfiles de São Paulo estão dando aula aos o RJ... Pra não falar que a Tom Maior, Mancha verde e Dagrões terminaram o último ano com a mesma pontuação da Tatuapé, campeã, e outra advinda do acesso em algum momento da última década, coisa impensável pros parâmetros cariocas.

    ResponderExcluir