sábado, 2 de março de 2019

#Carnaval2019 - Problemas em alegoria e evolução se mesclam com criatividade e brilho da UPM


Sempre favorita, a Unidos de Padre Miguel adotou um enredo literário brilhantemente conduzido por João Vitor Araújo para homenagear Dias Gomes. Intitulado “Qualquer semelhança não terá sido mera coincidência”, a escola foi a quinta a pisar na Marquês de Sapucaí. 

O corpo de baile da comissão de frente, coreografada por David Lima, apresentou o sincretismo religioso da obra “O Pagador de Promessas”, com romeiros guiados por Santa Bárbara que se transformavam em filhos de santo; ela, em Iansã. Os majestosos guardiões do pavilhão da Vila Vintém, Jéssica e Vinicius, realizaram mais uma belíssima apresentação e contaram com a trégua da chuva para que pudessem evoluir com elegância e segurança. 

A comissão de frente da Unidos de Padre Miguel
O enredo bem desenvolvido refletiu na estética um conjunto de fantasias bastante regular e bem acabado, apesar de não ter sido opulento. As alegorias permitiram visualizar um projeto interessante mas que foi prejudicado pela chuva, mesmo tendo apresentado uma bela paleta de cores. A segunda alegoria passou com um coreto torto e o queijo do destaque central vazio. O terceiro carro também contou com problemas de acabamento na torre e a alegoria final cruzou a Avenida com esculturas danificadas. 

Mestre Dinho e Pixulé souberam aproveitar o grande samba e botaram a comunidade da Vila Vintém para cantar, fazendo com que a harmonia muito bem. No quesito evolução, a Unidos de Padre Miguel teve que lidar com alguns contratempos e a escola abriu um buraco em frente ao segundo módulo de jurados; também precisou correr no fim do desfile e foi mais uma agremiação que estourou o tempo máximo do desfile. Os três minutos excedidos devem ocasionar perda de décimos.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário