sexta-feira, 1 de março de 2019

O que esperar? As previsões para os desfiles da Série A 2019


Por Redação Carnavalize

Já virou senso comum que o bispo que senta na cadeira da prefeitura não possui consideração com o carnaval e com os desfiles das escolas de samba. Seu descaso com a cultura, porém, continua a espantar e causar consequências para a nossa amada manifestação artística. Independentemente de o dízimo estar em dia, as escolas de samba da Série A contaram com apenas 250 mil reais - que, se chegaram, foi no 45º minuto do vigésimo tempo - e fazem parte de um dos grupos que mais sofreu com esse ataque violento e simbólico.

No entanto, como já diria a canção, é nossa obrigação levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima - e as agremiações do nosso amado Acesso estão prontas para fazer isso! Após esse pré-carnaval conturbado, quem será que desponta como a escola a ser batida? Quem corre risco de cair? E a meiuca, quem ocupa?

O momento esotérico do Carnavalize chegou e analisaremos, com o bom humor e a licença poética devidos, os cenários de cada agremiação da Série A! Simbora porque sei que você quer saber “O que esperar?”!

SEXTA-FEIRA

1- Unidos da Ponte



No geral: Após mais uma década sem passar pelos caminhos sagrados da Marquês de Sapucaí, a Unidos da Ponte gera uma forte expectativa para abertura dos desfiles do Rio de Janeiro por conta da reedição de um dos sambas mais festejados do carnaval. A direção da escola deixou sua organização nos brincos tentando não correr riscos de cair!

Pontos extras: Abrir os desfiles das escolas cariocas com esse samba-enredo é, sem dúvidas, o fator mais marcante do pré-carnaval da Ponte.

Perdeu décimos: Mas ao mesmo tempo que é um sambão... Será que a escola pisará forte no terreiro? Após faturar a Intendente, a comunidade da Ponte terá que se mostrar muito bem na voz e na animação para fazer jus a essa obra musical!

Barracão Tour: Uma das agremiações que mais se estruturaram para terminar o carnaval cedo, a Ponte apostou em uma dupla nova, Rodrigo Marques e Guilherme Diniz, e conseguiu fechar as portas de sua fábrica com a tranquilidade desejada! O barracão de alegorias ficou pronto já faz alguns dias e as fantasias já estão entregues. Axé?!

De 1 a 3 pontes para mostrar que a escola não quer pegar o caminho de volta para a Intendente: 


2- Alegria da Zona Sul



No geral: Uma das escolas que mais sofreram no pré-carnaval, a Alegria da Zona Sul canta o enredo “Saravá, Umbanda” na Avenida! Embora as temáticas e estéticas africana e religiosa sejam marcas do carnaval, a Umbanda é uma vertente pouco abordada, e essa é uma aposta da agremiação para tentar fincar os pés na Série A.

Pontos extras: A originalidade de abordar essa religião concebida no Brasil e as facilidades visuais e de identificação com o público que o enredo pede injetam esperança para o desfile da Alegria.

Perdeu décimos: Uma das grandes dúvidas é saber se a escola conseguirá traduzir o que deseja no visual do seu desfile. Os quesitos harmonia e evolução também são dois pontos fracos a serem bem trabalhados pela escola de Copacabana. 

Barracão Tour: Com dificuldades estruturais relacionadas ao terreno e às questões de verba que assombram os profissionais da folia, o carnavalesco Marco Antônio Falleiros é um guerreiro da arte que luta com sua equipe contra as ressalvas apresentadas. Estaremos de olhos abertos para ver o que foi bravamente construído pela escola!

De 1 a 3 Milton Cunhas gritando saravá (Alegria, saravá!), o quanto a Alegria passará digna e orgulhosa na pista:



3- Acadêmicos da Rocinha


No geral: Marcando a volta do carnavalesco Junior Pernambucano ao carnaval carioca, a Rocinha aposta em um tema que exalta o negro brasileiro para se envergar e impor: banana para o preconceito!

Pontos extras: A mensagem da escola é o pilar de seu carnaval. Homenagens a figuras negras famosas, como Chico Rei, Tia Ciata e Elza Soares prometem causar identificação com o público.

Perdeu décimos: A agremiação tem que cantar bastante o animado samba para que consiga propagar a voz do seu relevante enredo. A escola, entretanto, precisa superar a apresentação do ano passado, que teve sérios problemas de barracão.

Barracão Tour: Pouco se viu do barracão da tricolor no pré-carnaval, fica a torcida que ela tenha superado as dificuldades. A aposta fica por conta do caprichoso e detalhado trabalho de fantasias do carnavalesco.

De 1 a 3, quantas bananas da Mocidade a Rocinha conseguirá passar o recado desejado na Sapucaí:


4- Acadêmicos de Santa Cruz



No geral: Cansou de ser o momento Ortobom? A Santa Cruz quer surpreender e por isso contratou o carnavalesco Cahê Rodrigues, que trabalhou durante anos no Grupo Especial, escolhendo uma das homenagens mais esperadas do ano: a trajetória de Ruth de Souza. Será que a agremiação conseguirá finalmente sair das posições intermediárias?

Pontos extras: O sambaço da Santa Cruz figura entre os melhores do ano e, para muitos, é o número um do grupo! A beleza da obra e a simbologia da homenageada imprimem muita expectativa para acompanharmos esse desfile.

Perdeu décimos: A dúvida para a apresentação da Santa Cruz é saber se esse sambaço será coroado na Avenida por sua comunidade, além de observar se os detalhes de acabamento dos carros estarão de acordo com o requinte merecido por dona Ruth!

Barracão Tour: A escola é mais uma das que enfrentou problemas de estrutura no seu barracão. Pelo o que grilos falantes contam, a agremiação investe em formas estéticas diferentes e passará com uma coroa, símbolo de seu pavilhão, muito grande na Sapucaí!

De 1 a 3 hopes, qual a chance da Santa Cruz buscar uma boa posição em 2019?


5- Unidos de Padre Miguel


No geral: Depois de explorar as temáticas afro-brasileira e indígena, a Unidos de Padre Miguel partiu para um caminho literário, com uma homenagem ao escritor e dramaturgo Dias Gomes, em busca do tão sonhado título. Batendo na trave há algum tempo, a escola também enfrentou desafios no pré-carnaval. Se eu fui rica um dia, nem me lembro...

Pontos extras: A plástica sempre requintada de João Vitor Araújo, apesar da falta de grana, pode colocar a UPM nas cabeças novamente. Não dá pra esquecer a comunidade aguerrida da Vila Vintém. Além disso, Jéssica e Vinícius seguem bailando pela Vila Vintém.

Perdeu décimos: O calcanhar de Aquiles da Unidos no último carnaval foi sua comissão de frente. É bom ficar de olho para que ela não comprometa a escola novamente.

Barracão Tour: João Vitor Araújo foi confrontado por mais uma chuva em sua trajetória carnavalesca. Desta vez, perdeu-se a decoração de uma das alegorias da escola. A correria contra o tempo deve garantir que o carro vá para a Sapucaí, apesar. Sem muita grana, mas com originalidade, a UPM soube explorar bem o que tinha em seu almoxarifado.

De 1 a 3 Odoricos, quanto a UPM vai vir opulenta mesmo com a cri$e:

6- Inocentes de Belford Roxo


No geral: Com um tema esquisito inusitado e controverso sobre potes, a Inocentes quer revelar quem está com boca na botija e quem sabe colocar a boca dela na botija... do Grupo Especial!

Pontos extras: A excelente bateria da tricolor traz a promessa de encantar o público com toda pegada nordestina e de arrasta-pé que o enredo proporciona e garantir mais uma vez os 40 pontos!

Perdeu décimos: Quem escuta o samba tenta entender a letra. Quem lê a letra tenta entender o enredo. Quem entender pode procurar a escola, que é esse mesmo o desafio!

Barracão Tour: Apostando em materiais alternativos, o carnavalesco Marcus Ferreira dará uma bonita cara para o desfile da escola com panelas, potes, garrafas e outros utensílios curiosos.

De a 0 a 5 materiais de cozinha da Polishop, o quanto a escola deve continuar entre as mais cotadas ainda que ninguém entenda o que esteja acontecendo:  



7- Acadêmicos do Sossego


No geral: Rebaixada (e desrebaixada) no último carnaval, a Acadêmicos do Sossego permaneceu após mais uma virada de mesa no carnaval carioca. Para esquecer o descenso, trará Jesus Malverde e um grito contra a intolerância religiosa. Resta saber se o Crivella demônio da intolerância pisará na Sapucaí...

Pontos extras: Reza a lenda que a prefeitura de Niterói ajudou a escola do Largo da Batalha com a voluptuosa quantia de R$ 600 mil, saindo um passo à frente das demais coirmãs cariocas do Acesso que não receberam decentemente a subvenção para os desfiles.

Perdeu décimos: Após surfar em sambas em diálogo, sem rima e sem verbo nos últimos três anos, a obra encomendada pela Sossego contará com todos estes elementos (ou a falta deles) em mais um daqueles sambas-oração. Será um forte desafio conseguir contagiar com essa canção no final do primeiro dia de desfiles.

Barracão Tour: Com Leandro Valente e uma promessa de plástica conceitual para representar a intolerância, a principal interrogação fica pelo veto ou não da figura do bispo-prefeito do Rio de Janeiro como demônio. Rola na boca miúda que a escultura perdeu os chifres e desfilará, mas também que não era a intenção da escola representar o político. Sabemos...

De 1 a 3 demônios da intolerância, quanto a Sossego deve voltar na parte de cima da tabela:


SÁBADO

1- Unidos de Bangu


No geral: Esse é batata! Após terminar em penúltimo lugar no carnaval mais recente, indo na onda da Unidos da Tijuca e apostando em um enredo (ou em uma dieta?) de carboidratos, a Bangu contará a história das batatas. Sim.

Pontos extras: A bateria do mestre Léo Capoeira tem um ritmo mais gostoso que o alimento homenageado e após uma excelente passagem no carnaval passado é o trunfo para a refeição da Bangu na avenida!

Perdeu décimos: Pode ser palha, frita, com casca ou no purê, mas o tema sobre um vegetal não é dos mais digestivos. Como ele se desenvolverá na avenida é, sem dúvidas, um grande ponto de interrogação para os amantes do carnaval, assim como o samba renderá.

Barracão Tour: O carnavalesco Alex Oliveira está apostando em muitas raízes, plantações e soluções agros para dar prosseguimento ao andamento de seu barracão, e queremos saber se a escola conseguirá deixar o povo de olho gordo, querendo ir ao Bobs e pedir aquele combinado com as fritas!

De 1 a 3 sacos de vento, quanto a Bangu vai precisar para se manter na Série A:



2- Renascer de Jacarepaguá


No geral: A agremiação da zona oeste fluminense, aparentemente conformada, figura na metade da tabela há uns bons carnavais, mas sempre com sambas e enredos que deixam sua marca no carnaval do Rio! As águas do Rio daqui, o de Janeiro, agora se encontram com as águas de Salvador, mais precisamente no Rio Vermelho!

Pontos extras: O bairro da capital baiana é centro dos mais importantes da cidade e abriga uma vida boêmia e relevante para a história local, repleto de gastronomia, cultura e vividez. O local abriga a maior festa do país em louvor à Iemanjá todo dia dois de fevereiro! Os signos do tema, sem dúvidas, podem deixar o desfile da Renascer mais colorido e alegre ao cantar um canto importante do nosso país, e o bom samba conta a favor.

Perdeu décimos: A plástica e a harmonia costumam ser dificuldades encontras pela Renascer, que terá que festejar bastante no canto do desfile e conseguir transparecer nos carros e nas fantasias toda simbologia que o enredo carrega!

Barracão Tour: A Renascer sempre conta com peças de coirmãs do Grupo Especial para o produzir o seu carnaval, e dessa vez não poderia ser diferente. Com reciclagem e bastantes tons marítimos e religiosos, a dupla de carnavalescos Raphael Torres e Alexandre Rangel lutam para tentar alçar melhores patamares no visual da agremiação!

De 1 a 5 Moisés abrindo o Rio Comunista, a quantidade de chances que a Renascer tem de cair ou de subir:


3- Estácio de Sá


No geral: A tradicional agremiação do carnaval carioca - autointitulada a primeira escola de samba do país - aposta em uma saga sobre a fé ao retratar a história do Cristo Negro, uma escultura que surgiu no Panamá, país da América Central. Comandado pelo carnavalesco Tarcisio Zanon, o Leão quer tentar voltar a conquistar o público e o júri com essa temática em prol da esperança e da tolerância. Será que vai?

Pontos extras: A Estácio de Sá é uma das agremiações de maior envergadura na Série A e sua comunidade não poderia deixar de ser diferente. Acostumada a brigar pelos campeonatos do grupo e a pisar forte na Sapucaí, esse ano não poderá ser diferente na garra dos componentes do Berço do Samba!

Perdeu décimos: O belo fio condutor a partir da história e simbologia do Cristo Negro deixa dúvidas de como poderá ser encaixado o Panamá no desenvolvimento do enredo, para dar aquela forçada no CEP! Além disso, o entrosamento entre o samba e a bateria - que na Estácio sempre está para frente - deixa uma pulga na orelha dos amantes do carnaval.

Barracão Tour: A agremiação teve passagens recentes no Grupo Especial e conta com uma infraestrutura das mais regulares da Série A! O carnavalesco traz de novo fantasias que abusam do acetato e uma escolha de cores especial para falar dessa peculiar temática.

De 1 a 3, quantos Luiz Melodia de chapéu panamá para saber se a Estácio tá com fé em voltar pro Especial:



4- Porto da Pedra


No geral: A Porto da Pedra vem de carnavais que fazem um belo papel no grupo e conseguiu alcançar um honroso terceiro lugar em 2018. A escola não dá as caras no Especial desde quando o iogurte azedou, em 2012, mas já está desintoxicada e promete fazer mais um ótimo carnaval visando o caneco. O enredo é uma homenageada a Antônio Pitanga, mais um ator fundamental para a arte cênica brasileira. 

Ponto extra: A escola contém uma série de quesitos de qualidade, desde a bateria até o vigoroso primeiro casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, além de contar um excelente tema cultural e com uma homenagem que não deixa de ser política em sua essência - como a da coirmã Santa Cruz.

Perdeu décimos: Queremos saber como o samba irá render na avenida e na boca dos componentes! Será suficiente para abalar o público e gerar o movimento que a escola quer?

Barracão Tour: Os passarinhos dizem aqui que o barracão do Tigre de São Gonçalo está grande, todo trabalho no acabamento e à altura do homenageado, de leitura limpa e fácil assimilação. O experiente carnavalesco Jaime Cesário é dono de alguns dos carros e fantasias que mais geram expectativa para vermos durante os dias da Série A!

De 1 a 3 imagens do Tigrão, amigo do Pooh, o nível de esperança que o pessoal de São Gonçalo pode ter com o desfile da Porto:



5- Império da Tijuca


No geral: Com um enredo que vai da chegada dos negros às plantações de café e festas, até a atualidade das cidades do Vale no Sul Fluminense, o Império da Tijuca toma seu café comendo pelas beiradas para voltar ao Grupo Especial. Novamente assinada por Jorge Caribé, a escola tijucana trará a força do negro ao "agronegócio que traz o progresso", num verso muito contestado pelo mundo do samba. 

Pontos extras: Acreditando novamente na força do samba, o Imperinho busca reafirmar sua negritude. Apesar do resultado aquém do esperado no último carnaval, a escolha do hino da escola motivou a comunidade do morro da Formiga. 

Perdeu décimos: Como em 2018, a Sinfonia Imperial pode destoar do restante da escola, que vem de uma guinada plástica do último carnaval para o atual. 

Barracão Tour: Reciclar nos barracões da Série A é uma dádiva. A escola do morro da Formiga trará um carnaval maior que os dos últimos anos, fruto de doações de esculturas e materiais, além do toque mágico de Caribé para transformar, por exemplo, garçonetes em personagens do Reisado. 

De 1 a 3 Carybés, quanto o Império da Tijuca briga pelo acesso: 


6- Acadêmicos do Cubango


No Geral: Do outro lado da ponte Rio-Niterói, a alviverde desponta como uma das candidatas ao título após um surpreendente carnaval concebido pela jovem dupla Gabriel Haddad e Leonardo Bora. Agora, eles se propõem a mais um enredo autoral acerca dos ex-votos, objetos com simbolismos para além do campo físico - de proteção, de poder ou sagrados.

Ponto extra: Os carnavalescos conseguiram desenvolver um enredo muito rico e que proporciona diversas soluções estéticas que prometem mais uma vez seduzir quem estará na Sapucaí e quem assistirá ao desfile da agremiação niteroiense.

Perdeu décimos: O samba da Cubango não é dos mais festejados. Além disso, a escola encontrou problemas de chão, principalmente de evolução, no carnaval que passou, então é necessário se ater a estes quesitos.

Barracão Tour: Com carros e fantasias detalhados e caprichosos, a agremiação é dona de um barracão grandioso e muito bonito - e, por isso, que parece que não sofreu com o absurdo corte de verbas das escolas do Acesso! A confiança na estética popular e barroca é forte.

De a 0 a 4 ex-votos, o quanto os objetos da Cubango trarão boas energias para o seu desfile:



Verdades inabaláveis caem por terra quando a sirene toca, então é só esperar. Em meio a um cenário complicado, a gente só torce que a escolas do acesso surpreendam e mandem recados para certos prefeitos, já que nossa festa continua pra lá de viva. Amém, Rosa!

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário