quinta-feira, 27 de junho de 2019

SINOPSE | Acadêmicos do Grande Rio: Tata Londirá: o canto do cabloco no Quilombo de Caxias



Tata Londirá

O Canto do Caboclo no Quilombo de Caxias

APRESENTAÇÃO


Jorge Amado, Obá de Xangô, escreveu, em Bahia de Todos-os-Santos:

“Porém nenhuma macumba é tão espetacular como essa da roça da Gomeia, ora Nagô, ora Angola, candomblé de caboclo quando das festas de Pedra Preta, um dos patronos da casa. Nos ritos nagôs, os santos do pai de santo da Gomeia são Oxóssi e Iemanjá; do pai de santo Joãozinho da Gomeia ou da Pedra Preta, um maravilhoso bailarino, digno de palcos de grandes teatros. Esse caminho de São Caetano, que leva à estrada difícil da Gomeia, é percorrido por quanto artista, quanto escritor e quanto sábio passa por essa cidade. Sou ogã desse candomblé, levantado por Iansã.”

Roger Bastide, um dos mais influentes sociólogos do século XX, explicou:
“Essa coexistência não deixa de causar certa confusão: não haveria oposição entre o caráter do orixá e o do caboclo que disputam a mesma pessoa? Joãozinho da Gomeia responde a essa dificuldade estabelecendo uma série de correspondências entre orixás e caboclos (o mesmo tipo de correspondência, aliás, que se estabeleceu entre os orixás e os santos do catolicismo), de modo que o mesmo ‘poder’ é que, com nomes diferentes, possuiria a mesma pessoa.”

E Abdias do Nascimento, em texto para o Quilombo, relatou o seguinte achado:
“Caxias se transformará num grande, imenso quilombo. Seu povo é todo negro.Cada fundo de casa é um terreiro, em cada encruzilhada se topa com um despacho pra Exu. Não é sem motivo que já chamaram Caxias de ‘Roma sem torre de igrejas...’ (...)Era dia de São João em Caxias. Os terreiros embandeirados; o lugar dos atabaques ocupado pelos músicos (...). Nos Cartolinhas de Caxias a festa transcorria animadíssima (...) Dançamos também no terreiro do famoso pai-de-santo Joãozinho da Gomeia, que, apesar de ser filho de Oxóssi, é um fervoroso devoto de São João.”
É com as bênçãos dos deuses apregoados que o GRES Acadêmicos do Grande Rio nas águas correntes do sonho, levará ao asfalto sagrado uma história dos Brasis profundos Um olhar para o nosso passado e para o legado de um líder negro, homossexual e nordestino, bailarino que ousou dançar com o poder instituído e enfrentou, queixo alto e voz potente, as navalhas do preconceito. A comunidade de Caxias se veste para o xirê: cheguem todos, vamos juntos! Nas tintas de Djanira, nos retratos de Pierre Verger!
Saudemos, unidos, Joãozinho da Gomeia!

SINOPSE DO ENREDO

Tata Londirá

O Canto do Caboclo no Quilombo de Caxias

Chega de violência, sofrimento e dor
O pelourinho ainda não findou
para os ocultos opressores da nação
G. Martins, Adão Conceição, Barberinho, Queirós, e Nilson Kanema
- Águas claras para um rei negro
(samba de enredo do carnaval de 1992)

Pandeiro quando toca
Faz Pedra Preta chegar
Viola quando toca
Faz Pedra Preta sambar
Baden Powell e Vinícius de Moraes –
Canto do Caboclo Pedra Preta

Rio é orixá, vento é inquice, maré é vodum,
pedra de riacho é encantamento de bugre.
Luiz Antonio Simas – A morada do rei dos índios

Okolofé!

Xetruá! Maromba Xeto!
Viva o Brasil-Caboclo e salve o Brasil-Pandeiro!Jurema, Jibóia, Peri, Jupiara, Flecheiro, Jaciara, Aimoré, Tupiaçu, Campina-Grande, Cobra-Coral, Sete-Flechas, Sete-Encruzilhadas, Girassol, Sultão-das-Matas,
Guiné, Jaguará, Pena-Branca, Araranguá, Tabajara, Cachoeira, Tupaíba, Rompe-Mato, Guaraná, Mata-Virgem, Sete-Estrelas, Folha-Verde, Treme-Terra, Tira-Teima, Tupinambá, Ubirajara, Águia-Branca, Ventania, Arranca-Toco, Vira-Mundo... em verde,vermelho e branco, as cores dos seus cocares.
Em verde, vermelho e branco, as cores que nos irmanam.
Sambemos!


O samba é o dono do corpo. Exu, o pó das estradas: Laroyê!

Clareia, Dindinha... As noites sem-fim da Bahia, já dizia Jorge Amado, guardam os sonhos daqueles que ousam varrer o mundo. Fumaça, perfume, poeira no redemunho. No fundo, no escuro da casa, as aparições teciam destinos emaranhados. Causos, sopros,quebrantos. Olhos pretos de carvão! Rede que balançava a Lua nas lamparinas. Um clarão e o vulto ali: era homem?, era bicho? Voo de vaga-lumes, raízes tão retorcidas.
As vozes dos devaneios indicavam o desenredo: deixar para trás os medos, nos passos do Conselheiro; seguir em direção ao mar e reinar no Trono de Angola. João Alves de Torres Filho, menino, vestiu-se em asas de pássaro.
Deu-se o fogo no mato!
Até parece mentira, até parece milagre.

O samba é o dono do corpo. Ao Sol de São Salvador: Agô!

Flores aquareladas, folhas no chão do mercado. Coube ao velho Jubiabá,
feiticeiro de muitas histórias, raspar a cabeça do moço. No alto do Morro da Cruz,
sorveu o saber dos encantos. Nas festas de Dois de Julho, vestiu-se em mantos de penas.
Vou-me embora pro sertão; viola, meu bem, viola! Foi na roça da Gomeia, aos pés de
uma gameleira, que João da Pedra Preta firmou o seu Candomblé. Foi na roça da
Gomeia, caminho de São Caetano, que as gentes mais afamadas fizeram mandinga e
fuzarca. Dendezeiros, mesa farta. Axoxô e aluá. Quem não viu o bailado forte da Corte
dos Orixás?

O samba é o dono do corpo. Oxóssi, o Rei caçador: Okê Arô!

Deu-se, então, a navegação. Para ser livre, nunca é tarde demais. Búzios, cauim,
juremeira. Cascas, flechas de Keto. Perseguido por suas crenças e por sua visão libertária, João seguiu mar afora, aos braços do Redentor. Encontrou no chão de Caxias
o ponto da nova Gomeia. Plantou os ensinamentos colhidos na roça baiana. Aldeia
contemporânea, evocação ancestral. Baixavam os caboclos na Baixada, Auê!, no mesmo
transe dos deuses d’África (oceanos de travessias). Bravos guerreiros daqui, saberes do
ventre da mata. Do lugar, Oxóssi era o dono. Iansã, a mãe zeladora. Lambaranguange
Mutalambô! Caça na Aruanda, ô coroa!

O samba é o dono do corpo. A carne é de carnaval: Evoé!

João, malandro e vedete, abraçou o fuzuê das ruas – e no frenesi dos bailes
causou o maior dos espantos. O pavão é um “passo” bonito; com suas pena dourada!
Deuses de todos os credos reinavam nas passarelas. Qual não foi o bafafá quando ousou
se vestir de Cleópatra? Foi ainda Faraó – “Saravá, meu pai Ramsés!” Do Teatro de
Revista, herdou os leques de plumas. E nas escolas de samba foi “herói da liberdade”:
Ganga Zumba, líder quilombola da saga de Palmares! Fama e notoriedade, luxo e raro
esplendor. Oropa, França e Bahia bordadas em fantasias. Sob um céu de decorações,
desfilou a sua grandeza. Alfinetou nos jornais: os olhos o procuravam!

O samba é o dono do corpo. O show não pode parar: Bravo!

João, bailarino brilhante, rompeu as fronteiras do rito. A arte o transfigurava: nos
palcos da Zona Sul, nas luzes de hotéis e cassinos. Deixou no Municipal o aroma de
benjoim. Deixou com Mercedes Baptista o sumo do seu bailado. Do Catete ao Katendê:
foram muitos os notáveis que a ele entregaram a fé. Câmara Cascudo e Edison Carneiro
beberam do axé caxiense – e podiam tranquilamente girar com Getúlio Vargas. Dos
tragos com JK adveio a missão secreta: arriar mais de cem ebós em um eixo
profetizado. Dizem que veio dela, a Rainha da Inglaterra, o título maioral: Joãozinho da
Gomeia, o “Rei do Candomblé”! A ele enviava presentes e à distância se consultava –
graças ao amigo Chatô, nos ecos dos carnavais...

O samba é o dono do corpo. Oyá, nas rosas vermelhas: Eparrei!

O vento que corta, arrepia. O raio que estoura, ensurdece. Nas folhas não maceradas, João avoou encantado - e pode ser redesenhado, andorinha no arrebol; ep podeser reinventado, enfim Labá-Labá. Na batida dos tambores, no Eruexim de Iansã,
na espada de Kaiangô. Afefé! Podem ser revisitados os encontros na Gomeia, podem ser
reinstalados o desejo e a magia. De ver os terreiros floridos nas tardes de luz e festa. De
ver as estrelas candentes no espelho das noites de gala. Fitas e franjas balançam e
dançam nas festas juninas. Pinturas de jenipapo, grafismos de urucum. Nos traços do
mestre Abdias, no abô de Omindarewá.
João de Inhambupe.
Do barro encarnado, o chão de Caxias.
Da terra que clama o chão de Zumbi.
Do Brasil que se faz cortejo. Do Brasil-contradições.
São negras memórias que se entrelaçam, em ciranda, com o tempo. Tempo Rei,
compositor. Nzara, Senhor Kitembo!
São negras vitórias que moram nos roncós das nossas almas – e que na avenida
explodem num grito de pertencimento. Respeito!
São negras histórias marcadas nos pés do nosso passado – e que num presente
tão duro resistem feito mocambos. Não quebram!
Vibra novamente o couro do atabaque!
Verde em cada menino o tronco do Quilombismo!
Porque há sempre de ecoar mais forte o canto de cada Caboclo.
Viva o Povo-de-Santo e salve o Brasil-Terreiro!
Xetruá! Maromba Xeto!
Axé, Tata Londirá!

Eu sou jongueiro, baiana
Sapucaí, eu vou passar
E a Grande Rio vem comigo, saravá!

Carnavalescos: Gabriel Haddad e Leonardo Bora
Pesquisa e Texto: Gabriel Haddad, Leonardo Bora e Vinícius Natal
Colaborações e Agradecimentos: Mãe Sandra da Gomeia (Seci Caxi), Tata Sergio Jitu,
Carlos Nobre, Danyllo Gayer, Luise Campos, Luiz Antonio Simas, Maria Augusta
Rodrigues, Renato Ferreira, Taís Noronha, Tânia Amaro, Thiago Hoshino

Referências Bibliográficas:
AMADO, Jorge. Bahia de Todos-os-Santos. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
BASTIDE, Roger. O Sagrado Selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das
Letras, 2006.
BISILLIAT, Maureen; SOARES, Renato. Museu de Folclore Edison Carneiro.
Sondagem na Alma do Povo. São Paulo: Empresa das Artes, 2005.
COSSARD, Gisèle Omindarewá. Awô. O mistério dos Orixás. Rio de Janeiro: Pallas,
2014.
DION, Michel. Omindarewa. Uma francesa no Candomblé, a busca de uma outra
verdade. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.
FARELLI, Maria Helena. Plantas que curam e cortam feitiços. Rio de Janeiro: Pallas,
2015.
GAMA, Elizabeth Castelano. Mulato, homossexual e macumbeiro: que rei é este?
Trajetória de Joãozinho da Gomeia (1914-1971). Dissertação de Mestrado apresentada
ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense.
Niterói: 2012.
GAMA, Elizabeth Castelano. Um Rei Negro na Baixada Fluminense: memória e
esquecimento. Revista Periferia: Educação, Cultura & Comunicação – v. 6, n. 2, 2014.
GAMA, Elizabeth Castelano. Uma trajetória de muitas histórias: João da Goméia e o
conflito entre Candomblé e Umbanda nos “anos dourados”. Anais do XXVII Simpósio
Nacional de História - ANPUH. Natal: 2013.
GUIMARÃES, Helenise Monteiro. As Áfricas de Pamplona e o Debret da trinca.
Figurinos monumentais do carnaval carioca. In: Textos Escolhidos de Cultura e Arte
Popular (TECAP). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.
MENDES, Andrea. Candomblé Angola e o culto a Caboclo: de como João da Pedra
Preta se tornou o Rei Nagô. Revista Periferia – v. 6, n. 2, 2014.
MENDES, Andrea. O Rei do Candomblé nas páginas da revista. Joãozinho da Goméia
em O Cruzeiro (1967). Recôncavo: Revista de História da UNIABEU – v. 4, n. 6, 2014.
MENDES, Andrea Luciane Rodrigues. Vestidos de Realeza: contribuições centro-
africanas no Candomblé de Joãozinho da Goméia (1937-1967). Dissertação de
Mestrado em História Social – UNICAMP. Campinas: 2012.
NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo. Documentos de uma militância pan-
africanista. São Paulo: Perspectiva, 2019.
NASCIMENTO, Andréa. Salve Pai Pedra Preta: uma contribuição singela à trajetória
do Babalorixá Joãozinho da Goméia. Mneme Revista de Humanidades – Departamento
de História e Geografia da UFRN - v. 5, n. 11, 2004.
NOBRE, Carlos. Gomeia João. A arte de tecer o invisível. Rio de Janeiro: Centro Portal
Cultural, 2017.
NORONHA, Taís Fernanda. Joãozinho da Gomeia. Memórias do Babalorixá em Duque
de Caxias (1914-1971). Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em
Humanidades, Culturas e Artes da UNIGRANRIO, 2017.
RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antonio. Fogo no Mato. A ciência encantada das
macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.
SIMAS, Luiz Antonio. Pedrinhas miudinhas. Ensaios sobre ruas, aldeias e terreiros. Rio
de Janeiro: Mórula, 2013.

segunda-feira, 10 de junho de 2019

SINOPSE | Beija-Flor de Nilópolis: "Se essa rua fosse minha..."

A nossa história é uma estrada percorrida e, certamente, imensurável, pela qual ainda temos tanto a caminhar…
Desde que o homem se pôs de pé, ereto sobre a terra, ele iniciou a sua extensa jornada migratória em eras imemoriais, quando os glaciares serviam de ponte, unindo os continentes. Sua natureza nômade o fez se lançar ao desconhecido, numa peregrinação, inventar trilhas na mira do horizonte e se espalhar, seguindo adiante, pelo mundo afora.
Desde as tribos andarilhas até o apogeu da civilização, com a invenção da roda, assim viajou a humanidade. Encurtou distâncias, traçou rotas, desbravou a terra, delimitou fronteiras ao vencer obstáculos. Arriscou-se, de forma aventureira, nas encruzilhadas do tempo e enfrentou os desvios do destino, estando à sorte na vastidão de incertezas, de abismos e labirintos, de caminhos e descaminhos, a percorrer as vias da vida do por vir, nas idas e vindas dessa história, estrada sem fim.

A Beija-Flor de Nilópolis, no decorrer de sua trajetória, ao enveredar por inúmeras viagens a lugares mágicos, em voos lúdicos nos sonhos de carnaval, escreveu o seu caminho, a sua linda história de esplendor e conquistas, de alegrias e lágrimas, deixando, assim, um legado de glórias.
Hoje, a “Deusa da Passarela” vem passear pela jornada épica da humanidade, ela que todo ano toma para si uma Rua, a Marquês de Sapucaí, como se fosse sua, para encantar e contar uma história, traçando nela o seu plano de voo sambista para mais uma vez nos deslumbrar, “ao ecoar o som de um tambor” e fazer derramar, outra vez, “um festival de prata em plena pista”.
SINOPSE DO ENREDO
“SE ESSA RUA FOSSE MINHA…”.
Sob o véu da noite que nos envolve agora, céu e chão num turbilhão de estrelas, firma meu samba nessa encruzilhada, o seu ponto de partida, a esquina onde dobram sonhos de tantas vidas, onde os destinos são traçados na mágica Rua, na Rua do Marquês, que também é minha, é sua. Na hora em que a avenida se ilumina, a Lua, despida, torna-se vazia e então, para brincar o carnaval, põe-se a vestir-se de fantasia.
Laroyê! Peço licença às entidades, bênçãos e passagem aos que nos regem do além e peço que nos iluminem com seu rastro de luz, nos guiem e nos façam brilhar também.
Hoje, meu “Pássaro Encantado” vem beijar o chão que pisa, ele, que é tão bem acostumado, vem contar mais histórias de rumos, rotas, trajetórias, caminhos e estradas por onde a humanidade passou.
Pelas vias riscadas na terra, minha gente por elas atravessou. Ainda sem fronteiras, conheceu reinos de Âmbar, de Prata, de Ouro e de Seda, seguindo os passos dos aventureiros viajantes com que o vasto mundo interligou.
No balanço das ondas, bravos navegantes nos caminhos do mar aberto, ao sabor do vento, com o saber dos astros que apontam para o oriente, partiram, pois navegar foi preciso rumo ao Cabo das Tormentas, destino impreciso que, por sua vez, acalma o oceano e conduz os viajantes ao Novo Mundo. Mundo por tantas lendas afamado, com tantos sonhos acalentados, de impérios longínquos, de tesouros escondidos, de estradas esculpidas no topo do mundo, de um mágico reino chamado Eldorado.

Eis que nova terra então se revela. No facão que fere a mata verdejante e impunha a bandeira donatária, ao desbravar a trilha dos índios, se faz Estrada Real, da Vila Rica, em chagas abertas no chão de onde brotaram ouro e diamantes, para a Corte de Portugal. E a nobre cidade sagrada, à São Sebastião, cobriu o barro de seus becos e vielas de pedras assentadas, pisadas por pés de moleques.
Ruas que assim também se fizeram rumos de devoção, estradas de passos peregrinos, “Paços” de milagres, andanças de louvação, vias dolorosas de flagelos e martírios, caminhos de pedidos e promessas, de graças e de perdão, no andar com fé em procissões e romarias, que seguem andores e altares, de Josés e Marias, no fervor das tochas e velas que acendem almas e corações.
Ruas sem fim que contam histórias. Ruas que conhecemos sem sequer passar por elas. Ruas do mundo afora que são cartões-postais, ou que simplesmente são lembradas por quem nelas moram. Ruas de desejos, de saudades, de lembranças de seus recantos e encantos. Ruas de todo canto, sejam elas as mais belas ou aquelas que nos atraem, simplesmente pelo seu vem e vai. Sejam elas a avenida elegante de Paris ou de Nova York, sei lá, talvez uma mão inversa de Londres ou “El Caminito”, em Buenos Aires, para “un tango bailar”; ou, melhor ainda, aquelas onde a brisa sopra de um “eterno cantor” em suasondas ao quebrar, que espalham beleza e calor, nas calçadas famosas onde se declara amor à “Princesinha do Mar”.
Mas, afinal, são estradas fantásticas, lendárias, de se ouvir falar, ou, melhor, são elas talvez frutos que só a imaginação alcança, tão impossíveis de se chegar. Para que isso aconteça, basta querer e sonhar. E por que não deixar se levar nessa viagem que a mente pode criar, seja pela Via Láctea passear, ou a Torre de Babel alçar, e a morada de Deus visitar. Ou, quem sabe, desafiar a mitologia e, no Labirinto do Minotauro, a tão desejada saída encontrar; ou, talvez, num passe de mágica, na estrada de tijolos de ouro, no final do arco-íris, poder chegar.   
Enfim, são tantos caminhos a percorrer, tantas estradas que se mostram naturais, virtuais ou do destino, estradas da vida de cada um de nós. Mas eis que chega ao fim essa viagem. É aqui o caminho do sonhar, na Rua das Ruas, a razão desse meu caminhar, onde mora nossa missão de vida, onde o samba escolheu habitar e de onde o meu povo chega de seu próprio caminho vindo do seu lugar. É a Rua de todos no seu momento de por aqui passar. Mas, agora, é a minha hora, a minha vez de lhes mostrar que essa Rua, nesse instante, é só minha e, como o sonho me permite, essa Rua eu vou ladrilhar com pedrinhas de brilhantes para o meu Beija-Flor voar.


ALEXANDRE LOUZADA E CID CARVALHO

Carnavalescos

domingo, 9 de junho de 2019

SINOPSE | Mocidade Independente: "Elza Deusa Soares"



Elza Deusa Soares

A menina magricela nascida no distante bairro de Padre Miguel, menos de 40 quilos de pura insistência em sobreviver, desembarca no badalado programa de calouros de Ary Barroso. Equilibrava bom punhado de alfinetes para conter os panos todos do conjunto que sobrava e sambava no corpo. O sonho de ser a moça bonita do rádio determinava as cantorias da pequena – lata d’água na cabeça – cuja infância havia sido subtraída pelo suor de sol a sol dos afazeres domésticos. Já em posição debutante no palco transmitido em ondas aos ouvintes, as lembranças de pueris duetos com o som do louva-a-deus e as espiadelas no pai violeiro garantiam relativa técnica. Mas a força para transcender o destino foi a autêntica locomotiva. O autor de “Aquarela do Brasil” fez as honras sem nenhum pingo de honra quando mirou o pedacinho de gente posicionado bem na boca de cena da História: “de que planeta você veio, minha filha?”. Gargalhadas histéricas na plateia, só que por breves segundos. Na aquarela de Ary, não havia destaque para a cor da resposta visceral, raio cósmico, cortina do passado dilacerada ante a metamorfose de uma divindade em flor: “eu vim do planeta fome”. Desvario. Apoteose. A primeira.

Com o pedestal voltado à glória, soltou o talento até raspar o fundo do tacho d’alma para, ao fim, desabar nos braços daquele gênio letrado bem menos sabedor desse chão do que a sua humanidade supunha. Ora, o apresentador jamais imaginaria negra e pobre a arte-final esquecida pelo maior clássico que compusera. Próxima ao gongo em silêncio, e mergulhada na letra de “Lama”, estava, possivelmente, a imagem de Deus. Deusa – corrijamos – de joelhos e em adoração. Mulher. Que irrompeu a pergunta insensível, o direito que tinham para humilhá-la, as dificuldades do berço, o preconceito castrador e invasor do íntimo feminino, o racismo. A partir dali, nasceu uma estrela. Voz das vozes abafadas. Microfone de potente rouquidão rascante para os ais dos humildes. Água santa a revalidar existências e também as reminiscências ligadas à mãe lavadeira, ofício da roupa batida que faz marcar o ritmo de um futuro quase sempre estéril.

Curiosa a sina de se inserir e a outras carnes pretas no mapa oligarca branco forjado na marra e na régua. Numa só frase, desvelou o fogo de realidade que intelectuais com canudos enrolados nas grandes universidades mal conseguiram reconhecer brasa. Sua música se tornou trono matriarcal para denunciar as contradições da gigante “mátria” pouco gentil. Obrigada a trocar alianças quando a companhia eram as bonecas, deu à luz muito cedo, mas leite também aos que não pariu: holofote sobre os brasis ancestralmente invisíveis. E foi, justamente, da ordem do invisível, ou etéreo, certa passagem marcante e definidora – ainda nos tempos da dureza primordial. Prestes a ser atacada por uma vaca que pastava no entorno de casa, tratou de encarar o bicho bravo olho no olho. A coragem intuitiva reconfigurou a quase tragédia: recebeu uma inacreditável lambida do queixo à testa, passeio lingual com o aparente tamanho da eternidade.

Afogada na saliva e surpresa por esta viva, entendeu o banho viscoso como a unção protetora que a conduziria adiante. Seguiu. Limite? O céu, é claro. Pitoresco batismo em religião própria, cuja tábua de mandamento único ostentava a interpretação pessoal dos segredos de cima, lá onde mora o Guerreiro. Bruxa, mandingueira, sacerdotisa de poderes e sentimentos indomados. Fada canção. Feiticeira a macerar folhas de inspiração e fé no eu iluminado. Unguento, incenso, veneno. Movimento. O real e a quimera em qualquer batuque - do terreiro ao bar, do culto ao cabaré, da intimidade do chatô ao infinito da nação profunda. Suingue de credo, cruz ou cura.

E aí não tardou, monumento vocal velozmente consagrado, para brilhar mundo afora e país adentro. Ergueu-se samba sincopado de trejeito característico, o jazz agridoce banhado na pimenta da terra que tudo dá, nosso divã social, espelho e síntese no mesmo metro e meio de entidade. Bossa nossa. Sobre o palco de asfalto da folia, encontrou outra estrela, de milhares em cortejo e também filha de Padre Miguel – a Mocidade –, tão independente quanto ela. E mergulhou na bênção mística da percussão, que alforria os corpos domesticados e faz do festival do couro a alegria de uma cidade ao celebrar a dádiva do pertencimento. Mas foi a obsessão por cantar o amor sem pudores a sua forma categórica de pertencer. Amor à arte, às escolhas, à distância. Ao guri. Ao malandro. Ao Mané. Amou e foi amada. Sem medo e sem vergonha. Sem limites. Ou quase: apesar da vocação para inspirar gentes no embalo da natureza passional, pagou o preço ao escolher decolar no torrão que censura as asas dos filhos. Tombou. Cadente estrela. Solitária.

Bailarina equilibrista que sempre teceu a vida a partir do fio da liberdade, experimentou o da navalha quando os malabares com os quais distribuiu encanto viraram pedras contra si. A redentora passou a algoz no picadeiro moral dos supostos bons costumes. Sentiu o tapa, a ferida, o esquecimento. E pedaços arrancados. De novo. Porém, o trapézio que lança ao Olimpo, e vê desabar se as mãos deslizam no voo em cego dos mistérios de existir, tem no final do abismo uma rede de proteção fraternal. Dura na queda, conseguiu ser devolvida do fosso da orquestra. Mais forte. Tal qual a língua – aqui, a humana – que roça a nuca e reacende o arrepio. Diva sensorial a nos ensinar sobre a delícia de cultuar a própria carne mal taxada e o espírito, na cruzada em desafio aos intolerantes. Pele e osso que sentem lava escorrer e exclamam política transgressora, para inferno e desnudar dos caretas. Cóccix, peito, nervos, coração, pescoço. Garganta.

Ela, então, coloca desordem na preconceituosa ordem vigente, dando ré no apocalipse com o dito planeta fome completamente desgovernado. Pula o muro, alastra-se no proibido e perfuma a missão – herdada desde o show seminal – de fazer multidão frenética os carimbados como minoria. Eis a incendiária porta-estandarte de quem inclui, desafia, abraça, respeita, desatina, desata, transforma e se transforma. Do protagonismo feminino radicalmente contrário à mão levantada para a mulher. Dos amantes que, na embriaguez libertária, gozam sensualmente o afeto sem mordaça e constelam aflição pelo beijo ardente. O ato de transmutação do fazer artístico em grito dos incontroláveis por todos os milênios.

No altar do samba brasileiro, a Mocidade encontra o elo fundamental perdido e celebra a apoteose de uma estrela da canção ao reinventar o agora. O seu nome é agora – menina, senhora, doutora do tempo. A mensagem que deixamos para o próximo carnaval pinta o Black e tem o Power, traz a revolução de um abalo sísmico, a urgência explosiva de um novo Big Bang, põe Exu nas rodas, nas escolas, na prosa, é rua, nua e crua:

Deus é mesmo mulher. Deus é negra.

Ouçam a sua palavra que nos invade.

Salve a Mulher do Fim do Mundo.

Salve Elza Deusa Soares.


Carnavalesco: Jack Vasconcelos

Sinopse: Fábio Fabato

Pesquisa e Colaboração: André Luís Junior

Referências (além da discografia de nossa Elza Deusa Soares):

CAMARGO, Zeca. Elza. Rio de Janeiro: Leya Casa da Palavra, 2018

CASTRO, Rui. Estrela solitária – um brasileiro chamado Garrincha. Rio de Janeiro: Cia das Letras, 1995.

DINIZ, Alan; FABATO, Fábio; MEDEIROS, Alexandre. As três irmãs: como um trio de penetras “arrombou a festa”. Rio de Janeiro: NovaTerra, 2012, Família do Carnaval.

LOUZEIRO, José. Elza Soares: Cantando para não enlouquecer. Rio de Janeiro: Editora Globo, 2010.

PEREIRA, Bárbara. Estrela que me faz sonhar. Rio de Janeiro: Verso Brasil, 2013, Cadernos de Samba.

SUARES, Gerson. De pernas para o ar: minhas memórias com Garrincha. Rio de Janeiro: Oficina Raquel.