sábado, 3 de agosto de 2019

De cabo a rabo: os 14 enredos do carnaval de São Paulo


Por Juliana Yamamoto e Luiz Felipe de Souza
Chegou a hora de conhecer os 14 enredos que as escolas de samba do Grupo Especial levarão para o Anhembi no próximo carnaval! Com uma atenção particular à pertinência cultural, é possível perceber o esforço das escolas para fugir de temas subjetivos e que, por algum tempo, marcaram a festa paulistana, aliando narrativas de cunho histórico a mensagens de tolerância e de diversidade.

Em ordem dos desfiles que cruzarão a sexta e o sábado de carnaval pela pista, o Carnavalize preparou um resuminho sobre o que cada escola de São Paulo defenderá no primeiro ano da próxima década, de 2020! Se liga aí e não deixe de carnavalizar com a gente:

Vice-colocada do Acesso 1 em 2019, a Barroca Zona Sul abrirá o carnaval com o enredo “Benguela... A Barroca clama a ti, Tereza!” em homenagem à trajetória de resistência de Tereza de Benguela, importante líder na história negra do Brasil, no quilombo do Quariterê. O tema é assinado pela comissão formada por Rodrigo Meiners, Rogério Sapo e Yuri Aguiar. A escola optou por não realizar uma disputa e encomendou um samba de boa qualidade. Confira aqui:


A Tom Maior também levará uma ode à negritude para a avenida com "É coisa de preto". Segunda agremiação a desfilar na sexta-feira, a escola busca trazer à tona nomes de grandes brasileiros negros e remover o estigma que associa  'coisa de preto' a algo negativo. A partir de personalidades de diversos setores, André Marins projeta a coroação da figura negra por meio daquilo que é essencial: respeito.

Mais feliz do que nunca, a Dragões da Real, comandada por Mauro Quintaes, trará “A revolução do riso: a arte de subverter o mundo pelo divino poder da alegria”. A escola quer cativar novamente o Anhembi, com um tom leve e descontraído, em busca do tão sonhado título e em perpetuar a mensagem de que a alegria e o riso curam.

Diferentemente da Dragões, com uma pegada mais reflexiva e existencial, a Mancha levará para o Anhembi o enredo "Pai! Perdoai, eles não sabem o que fazem!”, aproveitando o complexo contexto contemporâneo de intolerância e violência. Assinado por Jorge Freitas, o tema reconstrói a história da humanidade e reflete sobre as atitudes do homem. Ao reforçar a função social da festa, a Mancha politiza sua mensagem e clama pela autorreflexão em seu desfile. A escola já definiu seu samba. Ouça abaixo:


Já na onda dos enredos CEP (cidades, estados ou países), depois de dois títulos e um inesperado 7º lugar, a Acadêmicos do Tatuapé viajará para Atibaia no enredo “O ponteio da viola encanta... Sou fruto da terra, raiz desse chão... Canto Atibaia do meu coração”. A ideia do carnavalesco Wagner Santos é, as do som do instrumento tradicional do interior, fazer um tour pela cidade e por seus principais pontos turísticos, atividades e aspectos culturais, exibindo a riqueza do povo atibaiense.

O avião sai do município de Atibaia e voa internacionalmente até o Oriente Médio: “Marhaba, Lubñan” é o enredo da Império de Casa Verde! Para contar a história do país do cedros milenares, o Líbano, o carnavalesco Flávio Campello terá o desafio de transpor sete mil anos de história em 65 minutos no Anhembi. Em um tema que, segundo ele, emocionará o público, a escola pretende contar a história do país com todos seus elementos típicos e suas particularidades culturais.

Encerrando a primeira noite de desfiles, a X-9 Paulistana misturará os batuques brasileiros no enredo “Batuques para um rei coroado”. Rendendo homenagem às mais diversas manifestações rítmicas e artísticas do país, a X-9 de Pedro Magoo quer se apropriar da miscigenação do nosso povo e contar a história de como foram formados os principais ritmos que influenciam o samba-enredo. Pelo segundo ano consecutivo a escola encomendou seu samba, e você já pode conferir o resultado aqui:


Campeão do Grupo de Acesso 1 e retornando ao Especial depois de 4 anos, o Pérola Negra abrirá os desfiles de sábado com o enredo “Bartali Tcheran - A estrela cigana brilha no Pérola Negra”. A escola da Vila Madalena contará a história dos ciganos, com um grande tributo a este povo que surgiu há milhares de anos no norte da Índia e que foi brutalmente discriminado e driblador de diversas crueldades. O tema é assinado pelo carnavalesco Anselmo Brito, rumo ao seu quarto ano na agremiação.

Já nas bandas europeias e católicas, “Que rei sou eu?” é o título do enredo que a Colorado do Brás levará para avenida em 2020. Após sua estreia no Grupo Especial, a vermelho e branco sonha agora em alçar voos maiores com a história de Dom Sebastião, um dos personagens mais enigmáticos da humanidade. Uma vida marcada por mistérios, lutas, crenças e sabedoria será mostrada no Anhembi e Leonardo Catta Preta assinará o desfile da agremiação, que já possui o seu samba-enredo:


Sob a batuta da dupla estreante em territórios paulistanos, Paulo Barros e Paulo Menezes, os Gaviões da Fiel terão o amor como enredo. O enigmático título “Um não sei que, que nasce não sei onde, vem não sei como e explode não sei porquê" não revela muita coisa, mas, diante do seu aniversário de 50 anos, a agremiação lembrará de grandes histórias de amor - inclusive a paixão que rege seus torcedores.

“Dos cantos das Yabás, renasce uma nova Morada”, por sua vez, é o título do enredo que a Mocidade Alegre levará para o Anhembi em 2020. A escola do bairro do Limão promete mostrar um canto de esperança para que a humanidade melhore e retome sua conexão com Olorum – segundo a tradição iorubá, o criador do mundo – e, com isso, para que a terra volte a ser um paraíso. O enredo transmitirá a mensagem de que é fundamental reconhecer a sabedoria, a força e o poder feminino, por meio das Yabás, as orixás femininas. O carnavalesco Edson Pereira integrará a comissão de carnaval da Morada do Samba e fará sua estreia pela escola.

O Águia de Ouro, após retornar ao Grupo Especial e terminar na sexta posição no último ranking, reinicia a sua trajetória em busca do primeiro título. “O poder do saber. Se saber é poder... Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.” é o título do enredo da agremiação da Pompeia que trará como tema o poder da sabedoria no mundo, por intermédio de suas invenções e os efeitos da falta desse importante elemento na sociedade. Será a estreia do carnavalesco Sidnei França na azul e branco.

“China: o sonho de um povo embala o samba e faz a Vila sonhar” é o último CEP do ano, título do enredo da Unidos de Vila Maria para o próximo carnaval, em que a Vila Mais Famosa exaltará suas tradições milenares, as importantes invenções para o mundo contemporâneo e também o grande poder que o país possui nos dias de hoje. Em 2019, contando a história da nação peruana, a agremiação terminou na quarta posição e agora, para 2020, sonha em alcançar o lugar mais alto com essa viagem asiática.

A responsabilidade em encerrar os desfiles do carnaval de 2020 será da Rosas de Ouro, preenchendo a avenida com os “Tempos Modernos”. Com início na Revolução Industrial e inspirada no histórico e monumental filme de Charles Chaplin, a azul e rosa abordará os avanços tecnológicos do mundo nos últimos séculos mediante uma viagem com o robô ROXP4. O enredo é assinado pelo carnavalesco André Machado, completando seu quarto carnaval na Roseira.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário