Eventos/Exposições




Além de nosso trabalho na internet e em nossas redes sociais, acreditamos que o Carnaval pode e deve ocupar as mais diferentes instituições e espaços artísticos. Acreditamos que as escolas de samba são as maiores produtoras de arte desse país, reunindo em seu corpo a dança, a escultura, o teatro, a música e diversas outras linguagens artísticas. Para valorizar ainda mais a história da nossa folia é preciso ocupar espaços, alcançar novos públicos e pensar a festa além das quadras e barracões. Carnaval se faz todo dia e em qualquer lugar.

Acreditando na importância dos autores e artistas por trás do carnaval homenageamos diversos personagens da história momesca e também promovemos debates e rodas de conversas sobre os mais diversos temas para afirmar a importância artística-cultural de nossa maior celebração. Confira algumas de nossas iniciativas. 


Fernando Pinto Maravilha - Um zirigudum tropicalista 

(Roda de conversa + exposição)

      30 anos sem Fernando Pinto + 50 anos de Tropicália


O primeiro evento do site Carnavalize, em parceria com o Dia de Glória, celebrou as grandes criações de Fernando Pinto na rota das comemoração aos 50 anos de Tropicália, somado aos 30 anos sem o artista, alcançados exatamente no dia do evento.

Além da roda de conversa, mediada por Leonardo Antan e com participação de ilustres convidados, houve também uma mini-exposição com fotos, documentos, desfiles e homenagem ao artista e sua proximidade com o movimento tropicalista e a cena cultural marginal dos anos 1970 e 80, do qual ele participou ativamente.

Exaltar um nome tão importante para o carnaval é celebrar a história e importância cultural e artística da nossa maior festa. É uma forma de resistência aos apagamentos culturais e artísticos que as escolas de samba vêm sofrendo nos últimos tempos. 

Idealização: Leonardo Antan
Convidados: Fábio Fabato, Bárbara Pereira, Rachel Valença, Tiãozinho Mocidade, Gabriel Haddad e Jorge Silveira
Curadoria: Alice da Palma, Aline Marins, Ana Elisa Lidizia, Bia Petrus, Bia Salomão, Jac Melo, Leonardo Antan

Ocorrido no dia 29 de novembro de 2017 na Casa de Estudos Urbanos. 

O requinte que carnavalizou a história: Arlindo Rodrigues em um Dia de Glória

(Roda de conversa +exposição)

30 anos sem Arlindo Rodrigues + 55 anos do desfile Xica da Silva




Após o sucesso do evento em celebração ao carnavalesco Fernando Pinto, o site Carnavalize e o Dia de Glória se uniram novamente para homenagear outro nome fundamental para a história do carnaval: Arlindo Rodrigues. 

Carnavalesco importante para a "revolução salgueirense" junto com Fernando Pamplona na década de 1960, com passagens marcantes ainda por Mocidade, Imperatriz e União da Ilha. Arlindo é responsável por diversas inovações estéticas e figura indispensável da trajetória carnavalesca num trânsito entre as artes institucionalizadas e o popular.

Além da roda de conversa, mediada por Leonardo Antan e com participação de ilustres convidados, haverá também uma mini-exposição com fotos, documentos, desfiles e homenagens ao artista, em um diálogo de suas temáticas com a arte contemporânea.

Exaltar um nome tão importante para o carnaval é celebrar a história e a relevância da nossa maior festa. É, portanto, uma forma de resistência festiva aos apagamentos culturais e artísticos que as escolas de samba vêm sofrendo nos últimos tempos. 

Idealização: Leonardo Antan
Convidados: Felipe Ferreira, Leandro Vieira, Ricardo Lourenço, Marcelo Pires e Maria Augusta
Curadoria: Alice da Palma, Ana Elisa Lidizia, Bia Petrus, Jac Melo e Leonardo Antan
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Felipe Tinoco, Felipe de Souza, Leonardo Antan e Vitor Melo

Evento ocorrido no dia 27 de abril de 2018, na Casa de Estudos Urbanos. 

Chegança: Bispo do Rosário na Acadêmicos do Cubango 

Exposição de arte no Muhcab - Museu da História e da Cultura Afro-brasileira


Exposição que celebrou as várias ancestralidades que se cruzaram no desfile da Acadêmicos do Cubango em 2018, homenageando Bispo do Rosário, um dos maiores artistas negros do país.

De um lado, o corpo negro de uma agremiação carnavalesca, reconstrução dos laços perdidos na diáspora, a Acadêmicos da Cubango. Do outro, o corpo negro marginalizado de Bispo do Rosário, artista que recriou o mundo a partir de seu olhar sobre as manifestações populares. No tambor da verde e branco de Niterói, uma homenagem e o encontro entre tantas ancestralidades negras, das vidas marcadas pela exclusão.

Mergulhando na poética labiríntica e acumuladora de Bispo, os artistas do carnaval Leonardo Bora e Gabriel Haddad prestaram sua homenagem a Bispo, fruto de tantos confluências, reelaborando a estética do artista em meio à linguagem multi-artística do carnaval. 

No sambódromo, Bispo fez uma nova chegança. O corpo negro outrora preso é libertado, em transe, re-existe em festa.

Uma celebração à Bispo do Rosário, à Acadêmicos da Cubango, ao carnaval e à ancestralidade negra. Recriando novos mundos e afetos.

Curadoria: Leonardo Antan

Artistas: Gabriel Haddad e Leonardo Bora
Fotografias: Talita Teixeira e Widger Frota
Co-curadoria: Ana Elisa Lidizia, Alice da Palma e Aline Marins
Produção: Jac Melo
Gestor do Museu da Escravidão e Liberdade: Vinícius Natal
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Felipe Tinoco, Felipe de Souza, Leonardo Antan e Vitor Melo

Realizada no Muhcab - Museu da História e da Cultura Afro-brasileira em cartaz entre 26 de outubro de 2018 a 19 de janeiro de 2019.


O rei que bordou o mundo; poéticas carnavalescas na Acadêmicos do Cubango.

Exposição de arte no Centro Municipal Hélio Oiticica



A exposição “O Rei que bordou o mundo” faz uma aproximação entre o universo das escolas de samba e a arte institucionalizada, ao revelar o processo criativo da dupla de carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad para o carnaval de 2018. 

O enredo da dupla que homenageou Bispo do Rosário bebeu em fontes da arte levando-as para o campo popular do carnaval. A mostra reuniu diferentes objetos e vestígios que orbitaram a produção da apresentação carnavalesca, desde desenhos, figurinos e fotografias. 

Realizado através de um financiamento coletivo no Catarse. 

Curadoria: Leonardo Antan

Artistas: Gabriel Haddad e Leonardo Bora
Fotografias: Talita Teixeira e Widger Frota
Co-curadoria: Ana Elisa Lidizia, Alice da Palma e Aline Marins
Produção: Jac Melo 
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Felipe Tinoco, Felipe de Souza, Leonardo Antan e Vitor Melo

Realizada entre os dias 8 de fevereiro e 30 de março no Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica, no Rio de Janeiro. 


Uma delirante celebração carnavalesca: o legado de Rosa Magalhães

Exposição de longa duração com mais de 37 artistas participantes



A exposição celebrou o legado e trajetória de Rosa Magalhães, uma das mais importantes carnavalescas da história das escolas de samba. A professora, como é carinhosamente chamada, influenciou uma série de artistas do carnaval e formou uma geração de apaixonados e admiradores de sua obra. 
A mostra valorizou um dos nomes mais importantes da arte do país ainda em atividade, que segue produzindo com vigor e atualidade. Além de nomes da festa carioca, são convidados ainda artistas do universo contemporâneo das artes visuais, que dialogam com a homenageada pelo imaginário e proximidade dos temas desenvolvidos por Rosa em seus carnavais. Os núcleos foram "Imaginário viajante", "Diáspora", "Afetos", "Brasilidade" e "O índio é um forte", versando sobre a poética artística estabelecida pela artista homenageada em seus trabalhos.

Prestar tributo a Rosa Magalhães é também valorizar a história do carnaval e seus múltiplos contatos com outras formas de artes, sendo a carnavalesca homenageada um dos mais proeminentes exemplos desse diálogo. 

Realizado através de um financiamento coletivo no Catarse. 


Artistas: Alessandra Cadore, André Wonder; Andréa Vieira; Antonio Vieira; Bill Oliveira; Claudia Laux; Divina Lújan; Fernando Pamplona; Gabriel Haddad; George Magaraia; Guilherme Camilo; Herbert De Paz; Jack Vasconcelos; João Vitor Araújo; Jorge Silveira; Júlia Tavares; Leïla Danziger; Lícia Lacerda; Leonardo Bora; Marcela Cantuária; Maria Andrea Trujillo Mainieri; Mauro Leite; Osvaldo Carvalho; Penha Vieira, Rafael Gonçalves; Roberta Paiva; Rosa Magalhães; Ruan D'Ornellas; Samuel Abrantes; Sérgio Rodrigues; Thiago Avis; Tiago Sant'Ana; Thiago Santos; Thiago Ortiz; Wigder Frota; Yuri Reis

Curadoria: Leonardo Antan
Co-curadoria: Alice da Palma, Ana Elisa Lidizia e Aline Marins
Produção: Jac Melo
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Luiz Felipe de Souza, Felipe Tinoco, Vitor Melo

A exposição ficou em cartaz entre 8 de fevereiro até dia 27 de abril de 2019 no Centro Municipal Hélio Oiticica. 

Mulheres do samba: resistência e samba no pé

Rodas de conversas com personagens femininas do carnaval


Dentro da homenagem a uma das maiores carnavalescas da história, o projeto multiplataforma Carnavalize celebrou a força da mulher no universo do samba e das suas escolas. Longe dos cargos de poder, a presença feminina no corpo de uma agremiação segue restrita aos papeis socialmente aceitos ligados à maternidade e à sexualidade. 

Repensando as funções de porta-bandeiras, passistas e baianas e suas tensões, além de refletir sobre a presença da mulher em cargos até então poucos usuais no corpo das agremiações, como mestres de baterias, intérpretes e dirigentes, o evento reunirá um time de convidadas para discutir a presença feminina do universo carnavalesco em pauta com os movimentos feministas contemporâneos. 


Mesa 1 - “Corpos que dançam: passistas, porta-bandeiras e o lugar feminino” 
A primeira mesa do dia versará sobre os cargos historicamente reservados às mulheres na história da folia, lançando novos olhares e problematizando clichês presentes no imaginário da festa. Além disso, tem também o intuito de repensar o lugar da dança e do uso do corpo no âmbito dos desfiles, entre a tradição e a modernidade. 

Debatedoras: Squel Jorgea (porta-bandeira da Mangueira), Lucinha Nobre (porta-bandeira da Portela), Rafaela Bastos (musa da Mangueira), Bárbara Pereira (jornalista e pesquisadora)
Mediação: Any Cometti (jornalista e pesquisadora)


Mesa 2 - “Outros papéis: o lugar nas quadras, barracões e avenidas”
A segunda mesa reunirá um time diverso que discutirá os cargos pouco ocupados por mulheres historicamente em uma escola de samba. Dos papeis administrativos ao universo dos barracões, passando pelos microfones e baterias, a pauta passeará pela presença feminina pouco massiva nesses ambientes. 

Nomes confirmados: Thayane Cantanhêde (diretora de bateria), Milena Wainer (intérprete e apoio da Vila Maria e Mocidade Independente), Penha Lima (projetista e aderecista), Rachel Valença (pesquisadora e ex-dirigente do Império Serrano)
Mediação: Luise Campos (jornalista e pesquisadora)

Idealização e produção: Beatriz Freire
Co-produção: Leonardo Antan
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Luiz Felipe de Souza, Felipe Tinoco, Vitor Melo

O evento aconteceu no dia 16 de março de 2019 no Centro Municipal Hélio Oiticica. 

Papo de enredo: costurando os últimos carnavais

Ciclo de roda de conversa sore os enredos do carnaval




Buscando sempre promover o diálogo e a discussão sobre o maior espetáculo da terra, teremos debates sobre os temas que se destacaram ao atravessar o solo sagrado da Marquês de Sapucaí. Instigando artistas, teóricos e jornalistas da festa sobre os rumos das narrativas nos últimos anos, temos em vista estabelecer saudáveis rodas de conversa costurando como foram pensados esses enredos e em quais visões da festa e do nosso país se basearam os carnavalescos.

Mesa 1: "O rei que bordou o mundo e a alma das coisas: as premiadas poéticas carnavalescas da Série A"

Aproveitando o encerramento de "O rei que bordou o mundo", exposição organizada por nós no primeiro andar do Helio Oiticica, falaremos do surgimento de novos talentos na Séria A dos desfiles. A primeira mesa reúne, portanto, os carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad para revelar o processo criativo de seus dois desfiles à frente da Acadêmicos do Cubango em 2017 e 2018, ambos premiados pelo júri do Estandarte de Ouro. 

Convidados: Leonardo Bora​ e Gabriel Haddad​ (ex-carnavalescos do Acadêmicos do Cubango, atualmente na Acadêmicos do Grande Rio), Felipe Ferreira​ (pesquisador, professor da UERJ e escritor) e Vinícius Natal (pesquisador e membro da diretoria da Acadêmicos do Cubango nos últimos carnavais), mediação de Leonardo Bruno​ (jornalista e escritor).

Mesa 2: "Crítica e política - novos artistas e novos olhares sobre a festa"

A segunda mesa reúne jovens carnavalescos que se destacaram nos últimos anos e busca pensar como as narrativas críticas voltaram à pauta nos últimos carnavais. Reunindo ainda teóricos que buscam costurar como esses artistas apresentaram suas visões da festa e do país. Além disso, convidamos um julgador de enredo do grupo Especial, buscando entender o que ele, como quem avalia todo esse trabalho, espera dos carnavalescos e pesquisadores que elaboram o enredo e também qual a importância que ele enxerga no enredo para a construção de um carnaval.

Convidados: Jack Vasconcelos (ex-carnavalesco da Paraíso do Tuiuti, atualmente na Mocidade Independente), Jorge Silveira​ (carnavalesco da São Clemente), Fábio Fabato​ (escritor e jornalista), Manu da Cuíca (compositora) e Marcelo Figueira (formado em Letras e julgador de enredo do carnaval carioca), mediação de Leonardo Antan​ (curador e escritor).

Idealização e produção:  Leonardo Antan
Equipe Carnavalize: Beatriz Freire, Luiz Felipe de Souza, Felipe Tinoco, Vitor Melo

O evento aconteceu no dia 30 de março de 2019 no Centro Municipal Hélio Oiticica.

0 comentários:

Postar um comentário